''Rapaz aparentava estar lúcido''

ENTREVISTA

, O Estadao de S.Paulo

16 Março 2010 | 00h00

José Alberto Iegas

Delegado da Polícia Federal de Foz do Iguaçu

O delegado José Alberto Iegas disse que o estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 24 anos, aparentava estar lúcido e falava de forma concatenada ao ser preso, mas que é preciso fazer uma avaliação do acusado.

Ele chegou a dizer qual foi a motivação do crime?

Não entramos em muitos detalhes a respeito das circunstâncias que o levaram a praticar o crime. Ficamos mais preocupados com a situação toda que ocorreu aqui em Foz do Iguaçu. E também não queremos atrapalhar ou prejudicar a investigação que é feita em São Paulo.

Nunes demonstrou alguma perturbação durante o depoimento?

Parece que ele tem as ideias concatenadas, estava lúcido, fala bem, mas fica difícil fazer uma avaliação da questão psicológica dele. Certamente deve ser submetido a algum exame para verificar.

Ele confessou o assassinato do cartunista e do filho?

Sim. Até mesmo afirmou que planejou a fuga. Que para conseguir chegar ao Paraguai não teria nenhum tipo de restrição para atirar em policiais, para matar policiais, e foi o que fez.

Ele chegou a dizer se a morte do cartunista foi planejada?

Não, não disse nada. Não entramos muito em detalhes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.