Ranking de vereadores causa mal-estar

Parlamentares de SP reclamaram de avaliação feita pela ONG Voto Consciente; pela segunda legislatura, Police Neto encabeça lista

Diego Zanchetta - O Estado de S. Paulo,

30 Agosto 2012 | 22h30

SÃO PAULO - A ONG Voto Consciente divulgou nesta quinta-feira, 30, ranking dos melhores vereadores de São Paulo e colocou, pela segunda legislatura consecutiva, o vereador José Police Neto, de 39 anos, atual presidente da Câmara, como o mais bem avaliado entre os 55 parlamentares. A lista levou em conta a participação nas sessões plenárias e os projetos de lei apresentados pelos vereadores.

Os nomes colocados no site da entidade às vésperas das eleições provocaram polêmica e protestos de quem não ficou entre os primeiros colocados. A maior parte dos 15 primeiros colocados lidera bancadas, integra a Mesa Diretora e preside comissões, ou seja, têm de ter frequência na Casa praticamente obrigatória.

Os cinco primeiros da lista são da base governista do prefeito Gilberto Kassab (PSD) e tiveram seus projetos aprovados e sancionados - a sanção de leis é um dos quesitos com forte peso.

Não foi levado em conta o trabalho dos parlamentares fora da Câmara ou a participação na votação nos projetos do Executivo. "Nós não avaliamos o que os vereadores fazem fora da Câmara. De forma alguma, é um trabalho completo sobre o que faz cada parlamentar", admitiu a coordenadora do Voto Consciente, Sonia Barboza.

Sentado na primeira fila ao lado do vereador Floriano Pesaro (PSDB), segundo colocado, o vereador Cláudio Fonseca (PPS), campeão em 2004 e 31.º colocado agora, acusou a entidade de cometer "injustiça e imprecisão". "Os projetos mais impactantes na cidade nesses anos todos foram aprovados pelo Executivo, como a revisão da Operação Água Espraiada. E vocês não levam em consideração a atuação dos parlamentares nesses projetos", bradou.

Críticas. O discurso do líder do PPS provocou saia-justa entre os integrantes da ONG. A coordenadora que divulgou o ranking deixou a sala enquanto Fonseca, que tenta um terceiro mandato, falava. No final do discurso do vereador, Danilo Barboza, presidente da ONG, admitiu que o levantamento tem falhas. "Nossa avaliação, como qualquer outra coisa no planeta, tem imperfeições", disse Barboza.

Pesaro, apesar da segunda colocação, também apontou falhas. "Há alguns critérios subjetivos e algumas desconsiderações sobre o papel político das votações, que é algo fundamental", disse.

Líder do PMDB e um dos dois vereadores que não concorrem à reeleição, Carlos Apolinário acusou a ONG de fazer avaliação sem participar dos debates da Casa. "São pessoas que nunca apresentaram proposta para melhorar a cidade."

Os integrantes da ONG Voto Consciente prometeram incluir novos critérios na próxima avaliação, prevista para daqui a quatro anos, como a participação dos vereadores na votação de projetos do Poder Executivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.