Quitação de imóvel

A minha mãe tem um imóvel que foi financiado pelo Agro Banco, em Goiânia, Goiás. Há um ano e meio ela se aposentou por invalidez e, consequentemente, o apartamento seria quitado. Porém, não foi o que ocorreu. Primeiro, quem estava cuidando do processo era a Delphos, no Rio de Janeiro, e agora a empresa diz que o caso foi passado para a Gifus, em São Paulo, ambas seguradoras da Caixa Econômica Federal. Porém, após um ano e meio de enrolação, soube que eles perderam nossos documentos e uma empresa empurra a responsabilidade para a outra. Teremos de esperar por mais quanto tempo para que essa quitação, que não é um favor, mas um direito, seja feita?

, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2010 | 00h00

LADY JANE / SÃO PAULO

A Caixa Econômica Federal esclarece que a Medida Provisória 478/2009, que extinguiu o Seguro Habitacional, transferiu as atribuições de análise de sinistros para a Centralizadora Nacional do FCVS da Caixa. A Delphos é prestadora de serviço das seguradoras e responsável pelo andamento do pedido de indenização de sinistro por invalidez permanente da mutuária. Na análise, a entrega da documentação foi incompleta e, em 3/5, foi solicitado o envio dos documentos faltantes ao Agro Banco, agente financeiro onde a mutuária tinha o financiamento. Segundo o Agro Banco, a documentação foi enviada via correio para a Caixa em 2/6, mas, até 15/6, a documentação não chegou. A Caixa dará prosseguimento à análise, assim que receber o dossiê da Delphos e a documentação do Agro Banco. Salienta que a mutuária deve entrar em contato diretamente com o Agro Banco.

A leitora diz: O problema não foi resolvido. Só ficamos sabendo que os documentos não chegaram pelo jornal.

ESTRADAS NO ESCURO

Falta de serviço básico

Solicito novamente neste espaço que a AES Eletropaulo, por favor, venha até a Rua Amador Bueno, em Itapevi, e verifique as condições para instalar equipamentos de luz na Estrada do Sabiá. No seu início, próximo à Praça Paulo França, não há postes e muito menos iluminação. Em janeiro do ano passado, a concessionária colocou na Estrada do Prado, próxima à praça, postes com luminárias que não funcionam até hoje. Também peço que a AES Eletropaulo acenda as luminárias instaladas nas Ruas das Mangueiras e das Bananeiras, também na Amador Bueno. Contamos que, desta vez, atendam ao nosso apelo, já que a prefeitura de Itapevi diz que isso é com a Eletropaulo.

ALBERTO NUNES / ITAPEVI

A AES Eletropaulo informou que ontem (21/6) uma equipe técnica faria uma verificação nos locais mencionados. Para a expansão da rede de iluminação pública, é necessário que a prefeitura municipal de Itapevi autorize a concessionária a realizar o serviço.

TRÁFEGO INTENSO

Desorganização em feiras

Moro na Rua Antonio das Chagas, na Chácara Santo Antonio, e trabalho no mesmo bairro. O bairro, que já apresenta um grande movimento todos os dias, fica pior com as feiras livres realizadas na Rua Alexandre Dumas, nas quartas-feiras, e na Rua da Paz, nas quintas-feiras. Essas duas ruas são essenciais para o trânsito local. Porém, como as ruas paralelas a elas são estreitas e mão dupla, e é permitido estacionar nos dois lados - além do tráfego de todo o tipo de veículo, como ônibus, caminhão -, o bairro todo vira um caos. O trânsito fica parado, pois as ruas não suportam tanto movimento. No período da manhã, fica impossível chegar ao trabalho no horário. Há ruas com menos trânsito onde poderiam ser realizadas as feiras sem que fosse prejudicado o acesso às empresas e ao comércio local. A Prefeitura tem de analisar isso urgentemente e remanejar essas feiras para outro local ou acabar com uma delas, porque, além desses dois dias, há outra feira no bairro realizada aos sábados. É muita feira para tão pouco espaço.

PAULO A. MOREIRA DE PINHO

/ SÃO PAULO

A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, por meio da Subprefeitura de Santo Amaro, informa

que, em atenção às observações do sr. Moreira de Pinho a respeito de mudança de local das feiras livres, não consta no Serviço de Atendimento ao Cidadão da subprefeitura nenhum pedido ou reclamação em relação às feiras livres citadas. Mas a Supervisão de Abastecimento será informada a respeito da solicitação para avaliar a necessidade de mudança da localização das feiras, de acordo com a legislação vigente. A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informa que o Decreto

nº 51.199, de 22/1/2010, que estipula novo horário de funcionamento das feiras livres, possibilita a liberação do tráfego nas vias mais cedo, minimizando os transtornos no trânsito dos bairros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.