Quinze cidades da Grande São Paulo reduzem tarifa de ônibus para R$ 3

Após protestos e anúncio conjunto feito pelo governo do Estado e Prefeitura da capital, municípios do ABC e da região Oeste decidem diminuir valor das passagens

Tiago Dantas, O Estado de S. Paulo

20 Junho 2013 | 15h23

Atualizada às 17h02

SÃO PAULO - Quinze cidades da Grande São Paulo resolveram baixar para R$ 3 a passagem de ônibus nos últimos dias, seguindo o anúncio feito na quarta-feira, 19, pelo prefeito da capital, Fernando Haddad (PT), e o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB) após protestos que levaram milhares de pessoas para as ruas.

A nova tarifa passará a valer à zero hora de segunda-feira, 24, em seis municípios do oeste paulista: Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Osasco e Santana de Parnaíba. A decisão foi divulgada após reunião do Consórcio Intermunicipal na tarde desta quinta-feira, 20.

É a segunda redução de tarifa na região oeste nos últimos 15 dias. Em 7 de junho, os prefeitos já haviam reduzido de R$ 3,30 para R$ 3,20. "Cada prefeito adotará no âmbito de suas administrações as medidas necessárias para reduzir o valor", diz nota enviada pelo consórcio.

Seis cidades do ABC também decidiram reduzir a tarifa para R$ 3 na tarde desta quinta-feira - em Rio Grande da Serra, o valor foi para R$ 2,90. Os novos valores passarão a valer dia 1º de julho, segundo o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, que reúne as sete prefeituras. 

A Prefeitura de Mauá havia antecipado o anúncio pela manhã. A situação é parecida com a do Oeste paulista. Os prefeitos do ABC tinham decidido reduzir o preço do ônibus de R$ 3,30 para R$ 3,20 em junho, aproveitando a desoneração de impostos federais proposta pela presidente Dilma Rousseff (PT). 

Ferraz de Vasconcelos e Guarulhos já haviam anunciado a diminuição do valor da passagem dos ônibus para R$ 3 na quarta-feira. Fora da Região Metropolitana, Campinas e Mogi das Cruzes também decidiram baixar o custo da tarifa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.