Quinto PM confirma tortura de Amarildo

Mais um policial militar que atuava na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, na zona sul do Rio, quando o pedreiro Amarildo de Souza desapareceu, em 14 de julho, prestou depoimento ao Ministério Público ontem. Ele contou detalhes sobre a tortura a que o pedreiro foi submetido. Esse já é o quinto policial que passa a colaborar com a investigação. Dez PMs já estão presos e foram denunciados por tortura seguida de morte e ocultação de cadáver. Outros 11 policiais deverão ser denunciados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.