Quem regula quem?

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL

O Estado de S.Paulo

15 Março 2013 | 02h04

Gostaria de manifestar a minha indignação em relação à Anatel, pois fazer reclamações de operadoras para a agência é o mesmo que nada, o que me leva a crer em conivência. Estou há mais de 10 dias com problemas com a internet 3G da Vivo e da TIM, assim como de telefonia dessas duas operadoras, e isso provocou queda de 50% no meu faturamento. Já fiz várias reclamações na Anatel e o número 1331 está ocupado quase o dia inteiro. Como reclamar no Brasil não tem mais efeito, vou distribuir um texto em inglês. Quem sabe assim deixando o Brasil em evidência nas mídias do exterior resolvam esta situação vergonhosa.

ADRIANO SALLES / SÃO PAULO

A Anatel informa que o usuário possui 4 reclamações referentes à velocidade e ao funcionamento da internet 3G, vinculada à Vivo. De acordo com o acompanhamento da Anatel, a Vivo segue os critérios de qualidade especificados pela agência, mas falhas pontuais ainda são possíveis. Cada prestadora em cada localidade possui níveis variáveis de qualidade, que podem depender da localização da antena em relação ao usuário, condições topológicas, etc. Neste caso, a Anatel orienta o usuário a pesquisar outra empresa, com serviço de melhor qualidade, e pedir a portabilidade, sem nenhum ônus ao cliente.

O leitor comenta: Lamento pelo fato de a Anatel dar uma informação inverídica, pois, além de os serviços prestados pelas operadoras estarem deficientes e com baixa qualidade, que pode ser observado por qualquer pessoa, a agência ainda permite que os planos sejam vendidos por essas mesmas empresas. E o número ao qual a Anatel se refere (enviado ao leitor) não consta na minha reclamação, é um número de contato, o que mostra o péssimo serviço prestado pela agência reguladora.

QUEDA DE ÁRVORES

Perigo na Pompeia

Preciso urgentemente de ajuda. Em 28/2/2012 entrei com pedido na Prefeitura para que fosse realizado o serviço de poda de uma tipuana. Tenho todos os dados registrados. A última funcionária que me atendeu, no dia 21/1/2013, disse que a realização do serviço dependia de operação conjunta com a AES Eletropaulo, o que prova a gravidade da situação. Eu perguntei como saberia se dessa vez minha solicitação seria entendida. E ela respondeu que eu deveria continuar insistindo! Por conta das constantes chuvas fortes, a situação ficou pavorosa. As árvores estão mais inclinadas e os galhos, mais pesados. Nós, moradores, corremos o risco de sofrer um grave acidente. Além de o perigo de, ao cair, a árvore destruir o telhado do prédio e arrastar toda a fiação.

PENNA PREARO

/ SÃO PAULO

A Subprefeitura Lapa informa que realizou vistoria nas árvores da Rua Cayowa, na altura do número 1.420, e constatou a necessidade de remoção dos exemplares. O serviço entrou na programação e será executado no mês de março.

O leitor afirma: Faço questão de comentar quanto ao que está acontecendo aqui na Pompeia com essas chuvas fortíssimas dos últimos dias na capital. Na quinta-feira (7/3) vi uma equipe da Prefeitura podando árvores retas num trecho da Avenida Pompeia, na altura da Rua Saramenha. Já as duas árvores da minha rua, cuja remoção está programada para março, são gigantescas e agora a inclinação é de cerca de 60º. Para piorar, ficam numa ladeira. É aterrorizante!

MOBILIÁRIO URBANO

Deterioração e abandono

Fiz duas reclamações no site da Prefeitura de São Paulo, sem êxito. As calçadas da Rua Clímaco Barbosa, especialmente entre as Ruas Freire da Silva, José Bento e Ana Nery, no Cambuci, estão bastante deterioradas. O piso é irregular, está repleto de buracos e rebaixado em relação ao nível da rua, o que significa que, quando chove, vira uma piscina. Reclamei no site também da deterioração do abrigo do ponto de ônibus, na altura do número 300 da Rua Clímaco Barbosa, além da falta de iluminação no local.

CRISTIANA CARDOSO / SÃO PAULO

Sobre o abrigo de ônibus citado, a São Paulo Obras (SPObras), empresa vinculada à Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras da Prefeitura, informa que realizou, no ano passado, duas licitações de Mobiliário Urbano para contratação de concessionárias que instalarão relógios digitais e abrigos e pontos de parada de ônibus. Os mais de 6 mil abrigos existentes serão trocados em até 36 meses, a partir de maio.

A Subprefeitura Sé informa que o local citado pela leitora foi inserido na programação de vistoria.

A leitora responde: A cobertura do abrigo de ônibus foi consertada, mas nada foi feito para melhorar a calçada e a iluminação pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.