Queda de balão mobiliza até helicópteros

Com imagens de artistas, ele ameaçava causar incêndio; viaturas o seguiram até cair no centro

BRUNO RIBEIRO, DIEGO ZANCHETTA, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2012 | 02h02

Moradores da região central da capital paulista foram acordados no feriado de ontem ao som de helicópteros e sirenes de viaturas policiais e dos bombeiros que seguiam um balão com imagens de artistas como Michael Jackson e Charles Chaplin. O artefato, que perdia altitude e ameaçava causar um incêndio, caiu por volta das 8h sobre a rede elétrica da Rua Jaguaribe, em Santa Cecília, e ninguém ficou ferido.

Não se sabe quem foram os responsáveis por soltar o balão - ação classificada como crime ambiental e cuja pena é estipulada em até 3 anos de prisão.

O objeto, de cerca de 18 metros de altura, chamou a atenção pela estampa elaborada - com fotos dos músicos Michael Jackson, Elvis Presley e Jimi Hendrix, dos atores Charles Chaplin e Marilyn Monroe e até do físico Albert Einstein.

Segundo o Corpo de Bombeiros, os chamados ao número 193 começaram quando o balão passou a perder altitude, na Marginal do Tietê. Ele vinha da zona norte e, de lá, sobrevoou a Barra Funda, na oeste. Ainda aceso, mas já em queda, passou sobre a Favela do Moinho - palco de dois grandes incêndios nos últimos 12 meses.

Ali, moradores da comunidade conseguiram retirar a tocha do balão. Ainda cheio de ar quente, porém, ele voltou a ganhar altitude e teve força para chegar à Praça da República, no centro. Lá, o vento o puxou de volta para o oeste da cidade. Após sobrevoar Higienópolis, caiu por fim em Santa Cecília. Todo o trajeto foi acompanhado por equipes da Polícia Militar e dos bombeiros, bem como por três helicóptero - um Águia e dois canais de TV.

A movimentação atraiu dezenas de curiosos até a Rua Jaguaribe. "O balão não pegou fogo. Poderia ter caído em cima de um carro, mas, graças a Deus, não aconteceu nada", disse William dos Santos, porteiro de um condomínio na rua. "Uns 20 jovens ficaram eufóricos, puxando o balão, por causa das fotos do pessoal do rock e do Charlie Chaplin."

O Corpo de Bombeiros informou que, como o artefato caiu apagado, não houve necessidade de combater as chamas em Santa Cecília. O único trabalho da corporação foi retirar parte da estrutura do objeto que ficou presa nos fios elétricos da rua. Já a PM informou que não houve necessidade de fazer registros do caso.

Prisão. Ao todo, quatro balões foram vistos sobrevoando a zona norte da capital na manhã de ontem. Um grupo de baloeiros - com maçarico, estruturas de carcaças de balões e camisetas - foi detido enquanto tentava resgatar um balão que caiu em cima de uma casa na região da Água Fria. Eles entravam na Rua Monte Belo pela contramão quando foram parados por uma equipe da PM. Outros quatro baloeiros, que estavam de moto, escaparam.

Como, preliminarmente, não foi possível relacionar o grupo detido ao balão que caiu no centro - nem ao que caiu na zona norte -, os acusados foram liberados após prestarem depoimento no 20.º Distrito Policial (Água Fria). Um inquérito será aberto para apurar o caso e, caso seja comprovado envolvimento dos detidos, eles serão indiciados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.