Quebra de paradigma

Mal comparando

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2012 | 03h05

A torcida do Palmeiras está exagerando! A situação do Verdão na tabela do Brasileirão não é pior que a de João Paulo Cunha no julgamento do mensalão.

Galo paulistano

Celso Russomanno virou uma espécie de Atlético Mineiro das eleições em São Paulo. Ninguém entende muito bem como aconteceu, mas o fato é que ele disparou na frente!

Tá eleito!

Candidato a vereador no Rio, o tucano Miguel Fernández y Fernández gravou sua participação no horário eleitoral em mesa de bar pregando o "direito de fumar". Há na campanha dele quem o critique por não priorizar a promessa de tolerância com o xixi na rua durante o carnaval!

Basta!

Há três dias ouvindo a música nova do cantor will.i.am, do Black Eyed Peas, amplificada no Planeta Vermelho pelo sistema de som do veículo-robô Curiosity, os marcianos fizeram, enfim, contato com a Nasa, através da mensagem "vira o disco"!

Pleno vigor

O STF precisa se modernizar: não faz sentido, com todas as conquistas da medicina moderna, aposentar o Peluso aos 70 anos.

Calma!

Agosto está por um fio!

Amor próprio

Diz a propaganda política dos tucanos em São Paulo que José Serra "não tem medo de cara feia". Pelo contrário, o candidato do PSDB não pode ver um espelho sem dar uma azaradinha!

Com a famigerada taxa Selic reduzida a inacreditáveis 7,5% ao ano, já se pode dizer com alguma margem de segurança que todo aquele papo de culpar mais a exorbitância dos juros que a saúva pelos males do Brasil não passava de conversa pra boi dormir.

Paladino da causa, o ex-vice-presidente José Alencar não viveu o suficiente para ter o desgosto de perceber que a taxa básica definida pelo tal de Copom - tanto faz se em 8 ou em 80 - não faz a menor diferença no bolso do brasileiro.

Responda rápido:

Mudou muita coisa no déficit financeiro de sua família a partir de setembro de 2011, quando o índice de 12,5% caiu meia merrequinha pela primeira vez no governo Dilma?

De lá pra cá, de boa notícia em boa notícia, o viés de queda virou rotina nas decisões da autoridade monetária sem efeito colateral evidente nas contas do consumidor.

De grão em grão, alguém deve estar decerto enchendo o papo com isso, mas não dá mais para vender ao trabalhador a ideia de que o Brasil vai ficar uma beleza quando baixarem os juros.

O canto da sereia dos economistas (nada a ver com a Miriam Leitão) está virando conto do vigário no noticiário da crise.

Mania brasileira

De um torcedor bem educado tentando convencer vizinhos de arquibancada sobre o desconforto de assistir ao jogo de pé: "Como diz o presidente do STF, ministro Ayres Britto (foto), 'sentemo-nos'!" Ninguém lhe deu ouvidos!

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.