Quatro policiais são acusados por chacina de moradores de rua

Dois policiais militares foram presos e outros dois estão foragidos, acusados de participar, na madrugada da sexta-feira passada, de uma chacina que deixou cinco moradores de rua mortos - quatro na hora e um dois dias depois - e outros dois feridos no bairro da Boca do Rio, em Salvador. O crime foi um dos que tiveram maior repercussão durante a greve que paralisa parcialmente a PM na Bahia.

TIAGO DÉCIMO / SALVADOR, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2012 | 03h02

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, foram encontrados com os soldados Donato Ribeiro Lima, de 47 anos, e Willen Carvalho, de 34, cinco pistolas, um rifle com mira telescópica, munição e 20 telefones celulares.

"Eles também são suspeitos de fazer segurança clandestina e integrar um grupo de extermínio", afirma o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegado Arthur Gallas. O quarteto também é responsável pela morte de Sérgio dos Santos Sena, em abril de 2010, também na Boca do Rio.

Ainda está sendo investigada a relação dos policiais com o comando grevista da PM na Bahia e a participação dos soldados em outras chacinas registradas em 2010 e 2011.

Apontado como líder do grupo, o soldado PM Donato já esteve preso na Colônia Penal Lafayete Coutinho, condenado por homicídio. E trabalhou na 39.ª CIPM/Boca do Rio. Atualmente, está em serviço no 16.° Batalhão de Polícia Militar, em Serrinha, a 180 quilômetros de Salvador. Segundo a Assessoria de Comunicação da Polícia Civil, Willen integra o Comando de Operações Policiais Militares (COPPM), no bairro dos Aflitos.

Apreensão. Na residência de Donato, no bairro de São Caetano, onde foram cumpridos também mandados de busca e apreensão, foram apreendidos diversos aparelhos celulares, 62 DVDs, uma CPU e máquinas fotográficas, entre outros objetos. No local, havia também várias placas frias de automóveis. Segundo Arthur Gallas, a polícia investiga se as placas eram fixadas nos veículos usados, durante as ações do grupo, com objetivo de impedir a identificação dos criminosos.

O soldado Samuel, que mora na Boca do Rio, não foi encontrado, mas em sua residência foram apreendidos uma pistola calibre 32, com carregador, munições, um notebook, relógios de pulso, celulares, balanças de precisão, pen drives e pinças de vários tamanhos. Todo o material encontrado será periciado no Departamento de Polícia Técnica (DPT). Donato e Willien estão no Batalhão de Choque da Polícia Militar, em Lauro de Freitas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.