Quatro perguntas para...

Abel Larini

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2011 | 00h00

PREFEITO DE ARUJÁ

1. O senhor preside o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), por onde passará o Trecho Leste do Rodoanel. Como avalia o impacto da obra nessa região?

São inúmeras vantagens, desde a retirada do tráfego pesado das vias até a interligação com as principais rodovias que chegam a São Paulo. Com isso, a economia da região tende a crescer.

2. E as implicações ambientais da obra?

Esse é o nosso maior temor. Nossa região está localizada em importantes áreas de mananciais e possui boa parte de seu território caracterizado como área de preservação. É só observar os impactos já criados pela construção do Trecho Sul do Rodoanel.

3.A obra vai desapropriar 1.071 imóveis em seis municípios, uma área de 16 milhões de metros quadrados. Como as prefeituras pretendem lidar com essa questão?

Representantes técnicos das prefeituras estão coletando dados para elaborar um relatório de impacto a ser apresentado à empresa construtora, SP Mar.

4. O Trecho Norte é tema de discórdia entre moradores e governo. Em que essa experiência pode ser útil para o Trecho Leste?

O Norte afeta mais áreas de proteção que o Leste. O Trecho Sul é o que traz mais experiências, mesmo porque passa por Mauá e Ribeirão Pires, duas cidades que também serão afetadas pelo Trecho Leste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.