Quatro perguntas para...

Ana Lúcia Duarte Lanna

O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2013 | 02h02

1.Quais serão as diretrizes do Condephaat sob a gestão da senhora?

O Condephaat precisa retomar o papel de propositor de políticas públicas, estabelecendo e consolidando suas interfaces com outros órgãos e instituições. Também deve pensar sobre novos instrumentos, além de aprimorar existentes, e práticas para além do tombamento.

2.Como acelerar a pauta do conselho, que tem processos iniciados há décadas?

Fazer discussões temáticas, agilizar processos de votação e aprimorar as relações com as áreas técnicas são medidas emergenciais. O conselho deve enfrentar questões propositivas que consolidem procedimentos e avancem na ação de políticas de preservação.

3.O Condephaat estimulará municípios do Estado a criar conselhos próprios de proteção ao patrimônio?

Ações já são feitas nesse sentido, como o atendimento às demandas encaminhadas pela Prefeitura. Também há um trabalho de orientação em oficinas e seminários com gestores municipais.

4.O que compõe a maior parte da fila do Condephaat hoje?

Desde uma pequena reforma em edificações ou intervenções em áreas envoltórias, até decisões complexas sobre tombamentos de áreas naturais e núcleos urbanos. Muitas deliberações exigem análise por conselheiro-relator. Isso gera uma pauta extensa e com assuntos diversos. / CAIO DO VALLE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.