Divulgação/Defesa Civil
Divulgação/Defesa Civil

Quatro operários morrem atingidos por desabamento de parede em Presidente Prudente

O imóvel onde funcionava um hipermercado recebia adaptações internas que incluíam demolições quando uma parede de 20 metros de comprimento por três de altura veio abaixo

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2020 | 20h56

SOROCABA – Quatro operários morreram ao serem atingidos pelo desabamento da parede de um prédio em reforma, na tarde desta quinta-feira, 16, em Presidente Prudente, no interior de São Paulo. O imóvel onde funcionava um hipermercado recebia adaptações internas que incluíam demolições quando uma parede de 20 metros de comprimento por três de altura veio abaixo. Cinco trabalhadores foram atingidos pelos escombros. Três morreram na hora e o quarto, após ser levado para o hospital. Um quinto homem sofreu ferimentos e foi hospitalizado.

O acidente mobilizou equipes do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil e da prefeitura. Após a retirada dos corpos, peritos da Polícia Científica fizeram análises no local para a produção de um laudo. A prefeitura informou que a obra não estava autorizada e interditou o imóvel. Conforme o município, a empresa entrou com projeto de construção, mas o pedido ainda estava em análise. A Engetec, empresa responsável pela obra, confirmou a morte dos funcionários Juliano Santos Ferreira, Ernando Pereira de Souza, Geraldo da Costa Cabral e José Ivanildo Ferreira, além dos ferimentos em outro trabalhador.

A empresa lamentou o acidente e informou que a preocupação maior no momento é dar assistência às vítimas e apoio aos familiares. Segundo a empresa, as informações e documentos sobre as questões administrativas relativas à obra serão apresentados com precisão quando forem solicitadas oficialmente. A Polícia Civil abriu inquérito para apurar as causas do acidente.

Tudo o que sabemos sobre:
Presidente Prudente [SP]desabamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.