Quatro mortos e 4 feridos em menos de 48h em Santo André

Polícia ainda não possui dados que possam ajudar nas investigações das duas tentativas de chacina

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

24 de outubro de 2008 | 05h59

Em um intervalo de menos de 48 horas, duas tentativas de chacina deixaram um saldo de oito pessoas baleadas, sendo que quatro delas morreram, na cidade de Santo André, no ABC paulista. Em ambos os casos, a polícia ainda não possui dados que possam ajudar nas investigações.   Um dos crimes aconteceu na Rua Tauá, no Parque João Ramalho. Na noite de quinta-feira, 23, moradores, após ouvirem disparos de arma de fogo, ligaram para o 190 informando que pessoas tinham sido baleadas no local. Policiais militares foram acionados e, ao chegarem no endereço fornecido, encontraram três homens feridos.   Como as vítimas estavam caídas em pontos distantes um do outro, acredita-se que elas tentaram correr dos atiradores. Felipe da Silva Passos, baleado três vezes na barriga, Carlos Geovan Silva, com dois tiros no peito e um nas nádegas, e Amauri Ferreira Dias, ferido na barriga, foram encaminhados ao Centro Hospitalar Municipal.   Felipe e Carlos não resistiram e morreram; Amauri segue internado. Não se sabe ainda quantos eram os atiradores nem se eles ocupavam algum veículo. O caso foi registrado no 02º Distrito Policial da cidade, pelo delegado Roberto von Haydin Júnior.   Às 3h45 de quarta-feira, 22, em frente à Favela Tamarutaca, na Vila Guiomar, também em Santo André, outras cinco pessoas já haviam sido baleadas por desconhecidos. Uma das vítimas foi encontrado morta na rua Dom Jorge Marcos de Oliveira, próximo à Cadeia Pública da cidade. Outro rapaz teria corrido, mas também foi baleado, morrendo na Rua Carnaúba, próximo ao local da primeira vítima.   Feridos na cabeça, outros três rapazes foram encaminhados em estado gravíssimo ao Centro Hospitalar de Santo André. Segundo a polícia, 24 horas depois da ocorrência, os três rapazes internados permaneciam vivos. O caso será registrado no 04º Distrito Policial de Santo André pelo delegado Alcides Leonardo Viana.

Tudo o que sabemos sobre:
Santo Andréassassinatosmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.