Quatro continuam internados após Parada Gay em SP

Três delas foram agredidas e uma passou mal; outras 21 pessoas ficaram feridas em uma explosão

Fabiana Marchezi, Central de Notícias

15 Junho 2009 | 13h35

Ao menos três pessoas foram agredidas e uma passou mal no último domingo, 14, durante a 13ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. As quatro continuam internadas nesta segunda-feira, 15, na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

 

Veja também:

linkParada reuniu 3,5 milhões na Paulista, dizem organizadores

linkSerra defende união homossexual durante a Parada Gay de SP

mais imagens Fotos da Parada Gay de São Paulo

 

De acordo com o hospital, o caso mais complicado é o de Marcelo Campos Barros, de 35 anos, que sofreu traumatismo craniano, passou por uma cirurgia nesta madrugada e continua em estado grave. Não há previsão de alta.

 

Daniel Oliveira, que também tem 35 anos, está internado com ferimentos no corpo, mas passa bem e deve receber alta ainda nesta segunda. Mauricio Pereira Silva, 17, sofreu politraumatismo, mas seu estado é estável e ele também deve receber alta nesta segunda. Já Adriano Aparecido Souza Cordeiro, de 27 anos, sofreu um mal súbito e segue em observação.

 

Bomba Caseira

 

Pelo menos outras 21 pessoas ficaram feridas na noite de domingo, após a Parada Gay. Uma bomba caseira foi detonada no Largo do Arouche. As vítimas, que tiveram ferimentos leves, foram encaminhadas aos hospitais Santa Casa, Barra Funda e Servidor Público Municipal, mas já receberam alta.

Mais conteúdo sobre:
Parada Gay São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.