Quatro ciclofaixas só existem em projetos

Leis criaram vias para bicicletas nas zonas sul e leste, mas não foram regulamentadas

Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2010 | 00h00

Em São Paulo, quatro ciclofaixas só existem no papel. Criados por leis municipais na década de 90, os trajetos do Ipiranga (zona sul), Mooca, Tatuapé e Belenzinho (zona leste) deveriam funcionar todos os domingos. As ruas e avenidas dos trajetos ? que têm até 6,1 km ? seriam fechadas para o tráfego recreativo de bicicletas. Mais de uma década depois das sanções dos prefeitos, porém, as quatro leis acabaram esquecidas.

As ciclovias foram criadas por leis aprovadas e sancionadas durante as gestões dos prefeitos Paulo Maluf (1993-1996) e Celso Pitta (1997-2000), mas nunca foram regulamentadas por decreto. Juntas, as quatro deveriam acrescentar 14,3 quilômetros à infraestrutura esportiva e de lazer da cidade. É quase três vezes o tamanho da ciclofaixa do Parque do Ibirapuera, que tem cerca de 5 quilômetros e é frequentada por cerca de 5 mil ciclistas todos os domingos.

O vereador Toninho Paiva (PR), autor da lei que criou a ciclovia do Tatuapé em 1994, conta que tentou tirar a ideia do papel na época, mas não teve sucesso por causa da resistência do poder Executivo. "É um descaso do poder público, não só com o Legislativo mas com a própria sociedade. Essas ciclovias são uma questão de saúde. Bicicleta é um exercício que você reforça os braços, as pernas, se exercita bastante", afirma.

Trânsito. Para o cicloativista Henrique Boney, do Instituto CicloBR, as ciclofaixas de lazer poderiam servir até para incentivar o uso dos bicicletas como meio de transporte na cidade de São Paulo, que sofre com congestionamentos. "Quem usa a ciclovia de lazer começa a sentir a rua, e pode querer sair desse roteiro para ir para outro bairro, outra região e, de, repente virar um ciclista urbano", diz Boney.

Segundo o cicloativista, essas ciclofaixas poderiam também ser uma espécie de laboratório para que, num segundo momento, uma estrutura definitiva de deslocamento de bicicletas pudesse ser instalada na cidade.

No momento, no entanto, ainda há uma discussão sobre qual seria o modelo ideal para São Paulo: ciclovias de deslocamento separadas (como a da Radial Leste) ou ciclofaixas integradas ao trânsito.

Outro lado. Por meio de sua Assessoria de Imprensa, a Prefeitura de São Paulo ressaltou que, no início da atual administração, as quatro leis que criavam os trajetos da zonas sul e leste já tinham uma década de publicação. Neste período, segundo o governo municipal, ocorreram inúmeras mudanças no trânsito da cidade.

"Além disso, essas leis perderam automaticamente sua eficácia com o advento do Plano Diretor, de 2004, que disciplina e ordena o uso e a ocupação do solo no município", diz o comunicado da Prefeitura.

Segundo a administração municipal, São Paulo tem 51,5 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas e a implementação de ciclovias é considerada um importante programa de política pública. A Prefeitura prevê construir mais 54,5 quilômetros de vias exclusivas para bicicletas em regiões periféricas do município.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.