Divulgação
Divulgação

Quarto suspeito de participar de linchamento no Guarujá se entrega

De acordo com o advogado, o ajudante de pedreiro Jair Batista dos Santos, de 35 anos, está arrependido pelo ato

Zuleide de Barros, O Estado de S. Paulo

09 Maio 2014 | 13h43

Atualizada às 22h40

GUARUJÁ - O homem que aparece em imagens divulgadas na internet jogando o corpo da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, em uma vala durante o linchamento em Morrinhos, no Guarujá, foi preso nesta sexta-feira, 9. O ajudante de pedreiro Jair Batista dos Santos, de 35 anos, era considerado foragido e se apresentou no 1.º Distrito Policial de Vicente de Carvalho, onde o caso de homicídio é investigado. Ele já teve a prisão temporária decretada pela Justiça e é o quarto detido no caso de espancamento.

Desde quinta-feira, o advogado do acusado, Vinícius Ferreira Santos, negociava a apresentação de seu cliente à Polícia Civil. Ao meio-dia desta sexta, Jair se entregou ao delegado Luís Ricardo Lara Dias Júnior. O ajudante de pedreiro é casado e pai de seis filhos e, assim como Fabiane, que deixou marido e duas filhas, vive com a família na comunidade de Morrinhos.

Segundo Vinícius, Jair está muito abalado e bastante arrependido de ter participado do linchamento de Fabiane, no sábado passado. Ela foi morta por ter sido confundida com uma suposta mulher que sequestrava crianças para rituais de magia negra. A repercussão em redes sociais levou ao crime, mas nenhuma criança, segundo a polícia, desapareceu no Guarujá recentemente. Um quinto suspeito é procurado pela polícia (leia mais nesta página).

Logo após o enterro de Fabiane na terça-feira - ela morreu na segunda -, a polícia deteve o primeiro suspeito. O eletricista Valmir Barbosa, de 48 anos, confessou a autoria do crime, diante das evidências das imagens que o identificavam golpeando a vítima com um pedaço de madeira na cabeça.

Na madrugada de quinta-feira, foi preso o ajudante de pedreiro Lucas Rogério Lopes, de 19 anos, que chegou a pedir desculpas à família da vítima. Ele afirmou que os moradores de Morrinhos estavam em pânico com os boatos, razão pela qual estavam prendendo as crianças em casa por medo da sequestradora. "Diante da gritaria das pessoas que teriam reconhecido a mulher, não tive dúvidas em participar do tumulto", disse o acusado.

Na noite do mesmo dia, o terceiro acusado, o ajudante de pintura Alex Oliveira de Jesus, de 23 anos, também morador da Morrinhos, foi capturado em Peruíbe, a mais de 100 quilômetros do Guarujá. Ele disse que estava na cidade do litoral sul para realizar serviços de pintura para parentes.

Jesus confessou sua participação no linchamento e assumiu que puxou o cabelo da vítima para se certificar de que se tratava da suposta sequestradora, cujo retrato falado foi postado na página Guarujá Alerta no Facebook, chamando a atenção da comunidade para os riscos com as crianças.

Violência. Fabiane tinha uma filha de 12 anos e outra de 1. Ela foi violentamente espancada no momento em que voltava da igreja, onde tinha ido buscar uma Bíblia. No meio do caminho, ela parou sua bicicleta na frente de um bar para tomar um copo de água. Na ocasião, encontrou um garoto e, depois de passar a mão em sua cabeça, ofereceu uma banana, da penca que havia comprado em um sacolão. Uma mulher que estava perto gritou que se tratava da "bruxa da internet". Começou então o linchamento da mulher.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.