Quartel no Parque D. Pedro vai virar Museu da PM

Abandonado há 15 anos, prédio de 15 mil m2 erguido em 1765 será reformado e deve abrir para o público até 2014

LUÍSA ALCALDE, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2012 | 03h04

Após 15 anos de abandono, a edificação histórica construída em 1765 que abrigou, até 1960, o Quartel da Polícia Militar no Parque D. Pedro II, no Glicério, centro da capital, será restaurado pelo governo do Estado. O local é conhecido como Quartel da Tabatinguera.

O imóvel vai abrigar o Museu Histórico da PM e um complexo de oficinas de arte e cultura, chamado Fábrica de Cultura. O espaço tem cerca de 15 mil m². Serão investidos R$ 49 milhões, verba já prevista no orçamento. A previsão é que seja aberto ao público até 2014.

A restauração faz parte do projeto de revitalização da região do Parque D. Pedro, iniciada com a inauguração do Museu Catavento, em 2009, no antigo prédio do Palácio das Indústrias, e a demolição do Edifício São Vito, no ano passado. O governo também constrói no bairro o Museu de História de São Paulo, na antiga Casas das Retortas.

Segundo o secretário de Estado da Cultura, Andrea Matarazzo, a proposta é criar um circuito cultural na região. "Será o terceiro polo cultural de São Paulo", disse Matarazzo.

Como a edificação do antigo quartel da PM é tombada, será necessário ainda obter autorizações dos órgãos de proteção do patrimônio histórico como Condephaat e Conpresp. Estima-se que os processos iniciais devem estar concluídos até o fim do ano. Já a etapa de obras, restauro e adequação dos espaços deve durar cerca de 18 meses.

O Museu da PM vai abrigar veículos antigos, armas, objetos e documentos que contam a história da corporação. Hoje, esse material está espalhado por vários quartéis.

O projeto une as Secretarias da Segurança, dona do imóvel, e da Cultura, que vai colaborar com a montagem do museu e gerenciar as atividades desenvolvidas pela Fábrica de Cultura, como oficinas de vídeo, fotografia, teatro, música, dança e cinema. O local terá ainda biblioteca, cafeteria e auditório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.