Qualidade das praias no litoral paulista piora nos últimos anos

Crescimento populacional aliado à insuficiência de tratamento de esgotos tem sido causa para degradação

Marcela Gonsalves Bourroul, estadão.com.br

18 de agosto de 2011 | 17h43

SÃO PAULO - A Cetesb divulgou nesta quinta-feira, 18, o Relatório da Qualidade das Praias do Litoral Paulista de 2010. No conjunto das praias litorâneas paulistanas, verificou-se que a quantidade de praias boas e ótimas decaiu nos últimos 10 anos.

Na maioria dos municípios litorâneos do estado, o crescimento populacional associado à insuficiência do tratamento de esgotos domésticos tem sido a principal causa para a degradação da qualidade da água.

Nesse ano, foi registrada apenas uma melhora da condição de balneabilidade na região da Baixada Santista, o que se deve, em parte, aos investimentos em saneamento na região.

No ano passado, 30% da totalidade das praias monitoradas pela Cetesb foram enquadradas nas classificações anuais Ótima e Boa, isto é, permaneceram próprias durante todo o ano. A situação mais crítica, indicada pela classificação Péssima, quando as praias permanecem mais da metade do ano na condição imprópria, representou 12% do total.

As condições de balneabilidade das praias são influenciadas, principalmente, pelo lançamento de esgotos domésticos. A situação do saneamento básico nos municípios litorâneos, em 2010, conforme o relatório, apresentou um índice de coleta de 37% para o Litoral Norte e de 60% para a Baixada Santista. O município com o índice mais baixo é Ilhabela, com 4% da população atendida por rede, sendo Santos o que apresenta o índice mais alto, com 97% de coleta.

No que se refere ao porcentual de esgoto tratado, o índice do Litoral Norte é 34% e o da Baixada Santista 10%.

Outro fator que pode ter influenciado na piora da situação como um todo é o aumento da população, que no litoral foi de cerca de 13% nesse período.

No município de Ubatuba, das dez praias consideradas Ótimas em 2001 só restam duas nessa condição (Prumirim e Itamambuca). Em Caraguatatuba, nenhuma praia foi considerada Ótima em 2010, e o mesmo ocorre em São Sebastião há mais de dois anos. No município de Ilhabela, a partir de 2003, as classificações negativas começaram a crescer.

Em Bertioga e Guarujá foi observada uma melhora nas condições de balneabilidade nos dois últimos anos, porém não são mais registradas praias Ótimas desde 2006.

Santos apresentou uma melhora no último ano, porém desde 2003 o município não registra mais praias regulares. No município de São Vicente apenas a praia de Ilha Porchat é classificada como Regular, sendo que Milionários e Gonzaguinha permaneceram péssimas nesses dez anos.

Em Praia Grande observou-se que três praias do trecho norte foram classificadas como regulares, enquanto as demais foram classificadas como péssimas. Em Mongaguá manteve-se uma qualificação similar aos últimos anos e não se observou mais praias Boas. Em Itanhaém e Peruíbe registrou-se uma pequena melhora neste último ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.