Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Qual a sua SP ideal? Se você curte balada (e não se importa com barulho)...

Quando o assunto é vida noturna, nenhum distrito bate a região do Itaim, da Vila Olímpia e do Brooklin

Valéria França, O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2011 | 23h00

Tem sertanejo, house, black, pop. Bares, restaurantes e baladas ficam lotados de jovens arrumadinhos, dispostos a gastar em média R$ 150 por noite, em troca de agito, conforto, valet na porta e bom atendimento. O Itaim-Bibi - distrito que compreende o bairro homônimo, mais Vila Olímpia e Brooklin - transformou-se no coração da vida noturna da capital na última década.

 

E as novidades não param. Há pouco mais de dois meses, a região ganhou num espaço de mil m² e 6 metros de pé direito a primeira balada sertaneja, a Wood’s. "São poucas as regiões da cidade em que se consegue um lugar assim grande para abrir uma casa noturna", diz Rafael Setrak, de 34 anos, um dos sócios.

 

Até o fim do ano, o empresário abrirá mais quatro casas na região. Uma será um pub para mulheres, She Rocks. "Não é uma casa gay, e sim um bar com que as garotas se identifiquem."

 

Enquanto o chamado Baixo Augusta, no centro, virou um território livre, com várias tribos de modernos repletos de piercing e tatuagens, na Vila Olímpia o ambiente tem ares mais comportados. Loiras de chapinha, tomara que caia e salto alto transformaram-se em uma espécie de cartão de visita do bairro que atrai paulistanos de todas as partes da cidade.

 

"Vou para a Vila Olímpia sempre que quero curtir", diz o motorista Bruno Cesar Christe de Andrade, de 28 anos, que mora no distrito de Cidade Dutra, na zona sul, de todos o mais carente no quesito diversão noturna. E curtir para ele quer dizer "boa bebida e mulher bonita".

 

Nas proximidades da casa de Andrade, há algumas baladas - Coração Sertanejo, Eucalipto, Rose Bombom e Espaço Forasteiro. "Também vou a essas casas, só que o público é diferente, menos arrumado", diz Douglas Calabianqui, de 32 anos, dono do Espaço Forasteiro, explica melhor: "São casas mais populares, em geral com programação de sertanejo, MPB e samba."

 

A Vila Olímpia começou a virar ponto de baladas no fim dos anos 1990. Antes era um bairro misto, com residências e muitos galpões de tecelagens, que migraram para outras regiões, dando lugar a casas noturnas.

 

"Mas o sucesso da Vila Olímpia e do Itaim tem a ver com a localização", explica Michel Saad, 34 anos, um dos sócios da Club Disco, há oito na região do Itaim-Bibi. "Ele fica no centro dos bairros onde moram seus frequentadores. Estou falando de Pinheiros, Ibirapuera, Jardins e Morumbi. E quem mora nesses pontos chega à balada em 15 minutos." Outra vantagem é estar rodeado por grandes avenidas, como Juscelino Kubitschek, Santo Amaro e Nações Unidas.

 

A balada no bairro do Itaim é, no entanto, mais cara que na Vila Olímpia. E até mais seletiva, pelo menos no caso da Disco, onde clientes chegam a pagar R$ 20 mil em uma noite e são, na maioria, convidados dos sócios ou promoters. "O gerente geral e o do bar estão lá desde a abertura da casa e conhecem quase todos os frequentadores pelo nome. Sabem até a bebida preferida deles."

 

Whisky e conversa. Sentir-se quase em casa na balada é característica do passado. "Tenho horror a essa palavra, balada", diz Ricardo Amaral, empresário que ajudou a construir a noite paulistana.

 

Amaral é do tempo de Vinicius de Moraes, época em que a noite era movida a whisky e muita conversa - hoje a moda está mais para vodca com energético. "Antes havia poucas casas noturnas. Em1969, abri com o (chef) José Hugo Celidônio o bar e restaurante Flag, na Avenida 9 de Julho." Ele lembra que da Paulista para baixo, no sentido Jardins, ainda não existia nenhum negócio do gênero. "Nos anos 1970 e 1980, a boemia tinha nome e sobrenome", resume. "Parecia confraria. Não sei se era melhor, mas era diferente."

 

Itaim-Bibi: O distrito compreende o perímetro formado pelas Avenidas 9 de Julho, São Gabriel, Santo Amaro e o trecho da Marginal do Pinheiros entre as Avenidas Cidade Jardim e Roque Petroni Jr.

 

Os mais boêmios

1º Itaim-Bibi

2º Pinheiros

3º Consolação

4º Moema

5º República

6º Perdizes

7º Santo Amaro

8º Santa Cecília

9º Vila Leopoldina

10º Santana

Mais conteúdo sobre:
SP especial aniversário SP 457 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.