Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Qual a sua SP ideal? Se a gula é o seu pecado predileto...

Há 40 anos Giancarlo Bolla instalava seu restaurante no Itaim. Hoje, distrito tem 520 opções gastronômicas

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2011 | 23h00

Quando decidiu abrir um restaurante fora da região central de São Paulo, em 1971, o restaurateur italiano Giancarlo Bolla ouviu um deboche: "Tá ficando louco, Giancarlo?" Com todas as grandes casas no centro, por que se arriscar no então distante Itaim-Bibi? "Oras", ele dá de ombros, sentado na sala de reuniões de seu La Tambouille, que completa em julho 40 anos: "Ficava entre os Jardins e o Morumbi, a clientela estaria garantida."

 

O pioneirismo não poderia ter sido mais acertado: hoje com 520 restaurantes funcionando, o Itaim-Bibi é o distrito com mais opções gastronômicas da capital. E, se no começo havia apenas algumas lanchonetes, com o desenvolvimento do bairro o padrão das casas começou a subir. Hoje, é impossível circular por ali sem reparar na quantidade de opções oferecida.

 

O primeiro tido como "de alto padrão" a ser aberto no bairro foi justamente o La Tambouille, de Bolla. "Era um bairro de casas e sobrados, mas tinha muito potencial para expandir. O Shopping Iguatemi chegou alguns anos antes, havia casas noturnas como a Hippopotamus, os clientes moravam por perto."

 

A consolidação do Itaim como reduto de restaurantes veio na década de 1990, quando sedes de empresas começaram a chegar à região, como explica Sérgio Arno, dono de cinco restaurantes no distrito - entre eles o tradicional La Vecchia Cucina.

 

"Difícil que isso um dia mude. É um bairro charmoso, cada portinha para a rua, um restaurante diferente", resume Arno.

 

Em 1 dos 3 restaurantes de Perus, uma aula de história

 

A ideia era construir no extremo norte da capital um restaurante "padrão Vila Madalena". Se fosse possível contar a história local, melhor ainda. Pois a professora Vera Alice Valgas, de 44 anos, conseguiu unir as duas pontas: nas paredes do restaurante que abriu em 2007 em Perus - distrito com menos opções gastronômicas em São Paulo - pendurou objetos que contam boa parte da história do bairro onde vive há quatro décadas. E o movimento não para de crescer.

 

Pudera: o distrito é um deserto na imensidão gastronômica da capital. Há apenas três restaurantes registrados em Perus. "Percebemos a lacuna e resolvemos investir em um público que curte MPB e se interessa por atrações culturais."

 

Vasculhando álbuns de moradores, Vera levantou relíquias. Nas paredes, pendurou fotos de 1940 da fábrica de Cimento Portland, da Ferrovia Perus-Pirapora, do dia em que a luz elétrica chegou ao bairro, em 1954. "Para que viajar quilômetros para comer?", questiona a professora. "É preciso acreditar na clientela do bairro."

 

Desde 2007, o Café Expresso Perus (trocadilho com a ferrovia) conquista público crescente. Por dia, serve cerca de 60 refeições - há três anos, eram 15.

 

Gastronomia

1º Itaim-Bibi

2º Jardim Paulista

3º Pinheiros

4º Moema

5º República

6º Consolação

7º Santo Amaro

8º Vila Mariana

9º Bela Vista

10º Santana

Mais conteúdo sobre:
SP SP aniversário 457 anos especial

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.