Quadrilha usa AR 15 de brinquedo durante assalto em São Paulo

Cinco criminosos invadem casa de peruanos no Pari e fazem dez pessoas reféns por cerca de uma hora

Andressa Zanandrea, do Jornal da Tarde,

07 de novembro de 2007 | 03h57

Nove peruanos foram feitos reféns durante um assalto à casa onde moram, na Rua Gonçalves Dias, no Pari, região centro-norte da Capital. Durante 40 minutos, a família ficou nas mãos de cinco homens, entre eles dois menores, de 15 e 16 anos, que portavam armas de brinquedo - um fuzil AR 15 e uma pistola 380.   A quadrilha entrou pela porta da frente da casa, às 19h50 de terça-feira, 6. O dono da residência, que pediu para não ser identificado, foi atender à campainha, quando foi rendido. "Pensava que fosse um colega que estávamos esperando", contou. Ele e alguns dos parentes ficaram amarrados e deitados no chão, com o rosto para baixo. "Fomos ameaçados e apanhamos muito."   A polícia foi chamada e agiu rapidamente. Quando chegaram ao sobrado - onde moram os peruanos e também funciona uma oficina de costura - os policiais viram pela janela as pessoas amarradas, mas não foram vistos pelos bandidos. Eles estouraram a porta e entraram na casa.   Naquele momento, um dos bandidos apontou o AR 15 para um dos policiais, que falou para o criminoso atirar. O rapaz, no entanto, resolveu se entregar: jogou a arma, de brinquedo, no chão e foi preso. Outros dois foram presos na residência ao lado, pois tentaram fugir pelos fundos e pelo telhado da casa.   Foram presos Natanael Cavalcanti de Sousa, de 27 anos, Boás Evangelista Domingos, de 24 anos, Weber da Silva Rodrigues, de 20 anos, e os dois menores. Domingos estudava Direito. Com eles, a polícia encontrou cinco celulares, R$ 6.850 em cheques, US$ 20, dois aparelhos de DVD e 3 mil pesos uruguaios. Testemunhas disseram ter visto um Monza vinho, que estaria dando apoio ao bando, em frente à casa, mas o carro não estava no local quando a polícia chegou. A ocorrência foi registrada no 12º Distrito Policial, do Pari.

Tudo o que sabemos sobre:
seqüestroSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.