Prefeitura Municipal - divulgação
Prefeitura Municipal - divulgação

Quadrilha incendeia carros e explode duas agências bancárias em Morungaba

Pelo menos um dos cofres dos bancos foi levado pelos criminosos; apesar da violência dos ataques, ninguém ficou ferido

José Maria Tomazela , O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2018 | 09h39

SOROCABA - Os 13 mil moradores de Morungaba, no interior de São Paulo, voltaram a viver momentos de terror, na madrugada desta segunda-feira, 3. Uma quadrilha armada com fuzis queimou carros na principal via de acesso, atirou contra prédios e explodiu duas agências bancárias, na região central da cidade. Pelo menos um dos cofres dos bancos foi levado pelos criminosos, mas o valor roubado não foi informado. Os alvos foram as agências do Bradesco e da Caixa Econômica Federal - os dois bancos já tinham sofrido ataques semelhantes na cidade, no ano passado. 

Conforme a Polícia Militar, as agências atacadas ficam separadas uma da outra por duas quadras. Os criminosos chegaram por volta de 3h30 em vários carros e, depois de explodir o prédio do Bradesco, atacaram a agência da Caixa. Os dois prédios ficaram danificados.

Durante as ações, integrantes da quadrilha atiraram para o alto e contra a fachada da agência dos Correios, que ficou marcada pelos tiros. Na fuga, os bandidos queimaram três carros na rodovia Constâncio Cintra (SP-360) para dificultar a perseguição pela polícia. Apesar da violência dos ataques, ninguém ficou ferido. Nenhum suspeito tinha sido preso até a manhã.

REPETIÇÃO - Em junho do ano passado, os criminosos também queimaram veículos na rodovia durante o ataque à agência da Caixa Econômica Federal. Naquela ocasião, os assaltantes atiraram contra a base da Polícia Militar e um policial ficou ferido por estilhaços. 

Em abril de 2017, os alvos foram a agência do Banco do Brasil e um caixa eletrônico do Bradesco instalado na prefeitura. Conforme dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP), os roubos a banco vêm caindo no Estado. Foram 50 até outubro deste ano, contra 82 no mesmo período do ano passado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.