MASAO GOTO FILHO / ESTADAO
MASAO GOTO FILHO / ESTADAO

Quadrilha faz irmã de Paulo Maluf refém durante assalto em SP

Criminosos armados com fuzis e submetralhadoras fizeram cinco reféns durante duas horas e fugiram em dois carros levando um cofre com joias

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

16 Dezembro 2016 | 15h45

SÃO PAULO - Homens armados com fuzis e submetralhadoras invadiram a casa da irmã mais velha do ex-governador Paulo Maluf (PP), deputado federal por São Paulo, na região do Jardim Europa, zona sul da capital, na tarde de quinta-feira, 15. Por cerca de duas horas, a quadrilha fez de refém e amarrou Therezinha Maluf, de 87 anos, dominou quatro funcionários e conseguiu fugir após roubar joias e pertences das vítimas. Até o momento, ninguém foi preso.

Therezinha está abalada. Com dificuldade para andar depois que sofreu uma fratura no fêmur e com a saúde debilitada, a idosa teve as mãos atadas às costas pelos bandidos. Ela ficou trancada em um banheiro durante o assalto, juntamente com um vigilante, a copeira, o motorista e um inspetor. Os bandidos usaram cadarços e gravatas para amarrar as vítimas. “Fazem uma barbaridade dessa com uma senhora doente. Eu nunca vi. É falta de humanidade”, disse Paulo Maluf. “Essas coisas não acontecem em cidades como Nova York, Londres. Paris. Tem de ter um basta.”

A ação dos criminosos ocorreu em plena tarde, por volta das 13h30. Segundo testemunhas, foi discreta. Para entrar na casa, que é equipada com guarita de segurança, grades e cerca elétrica, um dos assaltantes dominou o segurança e liberou a passagem dos demais.

O imóvel fica na Rua Prudente Correia, onde há outras casas com vigilantes particulares. Nenhum deles, no entanto, diz ter percebido alguma movimentação estranha no local. “A casa é muito movimentada, sempre tem carro entrando”, disse um dos seguranças, que pediu para não ser identificado.

O bando era formado por oito ou nove pessoas, de acordo com as investigações, e estava fortemente armado. Após se passar por um entregador, um dos integrantes conseguiu dominar o segurança. A quadrilha roubou pertences pessoais das vítimas, além de eletrônicos e de um cofre com joias. 

“Graças a Deus, você está com vida, o que eles roubaram não tem a menor importância”, disse Paulo Maluf à irmã. No dia seguinte, Therezinha recebeu visitas de diversos familiares, preocupados com seu estado de saúde. “É uma senhora do lar. Mãe de família, avó, bisavó. Ela está doente, tanto que está com enfermeira”, afirmou o deputado. A idosa ficou em casa e não foi com as outras vítimas ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), responsável por investigar o caso, para registrar a ocorrência.

A quadrilha usou um Toyota Hilux e um Honda Civic para levar os objetos roubados. Quando os policiais militares chegaram ao local, por volta das 16h, todos já tinham fugido.

Recorrência. O assalto à irmã de Maluf aconteceu um mês após a invasão à casa do cunhado do governador Geraldo Alckmin (PSDB), no Morumbi, zona sul de São Paulo. Armado com fuzil, o grupo roubou a mansão do empresário Adhemar César Ribeiro, de 75 anos, que fica perto do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo.

Questionado nesta sexta-feira, 16, sobre os dois casos, o governador disse que todos os envolvidos serão presos. Ele também destacou a atuação policial na primeira ocorrência. “Já tem quatro presos e serão presos os demais. A polícia está fazendo trabalho de investigação, até pegando receptadores de joias e equipamentos”, afirmou Alckmin. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.