JB Neto/AE
JB Neto/AE

Quadrilha é presa após arrombar parede para invadir joalheria

Caso aconteceu na zona oeste de São Paulo; grupo usou imóvel desocupado para tentar chegar ao cofre da loja

Daniela do Canto e Ricardo Valota, do estadao.com.br,

13 Janeiro 2010 | 09h12

Seis homens foram presos ao tentarem arrombar o cofre de uma joalheria na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, na madrugada desta quarta-feira, 13.

 

Para chegar ao alvo, eles invadiram uma casa desocupada, vizinha da joalheria, e fizeram um buraco na parede. Uma testemunha notou a movimentação estranha e avisou a Polícia Militar.

 

A casa invadida pelos criminosos fica na altura do número 78 da Rua Margarida. Ela faz fundos com a joalheria, localizada na Rua Mário de Andrade. A quadrilha arrombou portas e diversos cadeados para chegar ao cômodo onde foi feito o buraco - de cerca de 40 centímetros de diâmetro - que dá acesso direto ao cofre da joalheria. Conforme policiais militares, o bando fez uma ligação clandestina de energia na fiação da rua para iluminar o imóvel.

 

Por volta das 3h30, um morador vizinho ligou para a 2ª Companhia do 23º Batalhão da PM. Ele estranhou o fato de que, várias vezes naquela noite, um homem saiu da casa abandonada, verificou a movimentação da rua e voltou.

 

Ao chegarem ao local, os policiais encontraram uma minivan estacionada em frente ao imóvel. A chave estava na porta do veículo. Um homem, que estava do lado de fora da residência, entrou ao notar a chegada dos policiais. Os suspeitos tentaram se esconder em um dos cômodos da casa, mas foram localizados.

 

Quando revistaram o imóvel, as equipes encontraram diversas ferramentas, entre elas furadeiras e picaretas. Também foram localizados radiocomunicadores. "O cofre não chegou a ser aberto, mas ele pode ser visualizado pelo buraco feito na parede", explicou o tenente Alberto Verona. A polícia ainda não localizou representantes da joalheria. O caso foi registrado no 23º Distrito Policial (Perdizes).

Mais conteúdo sobre:
joalheria São Paulo roubo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.