Quadrilha diz ser da PF e invade empresa em Guarulhos

Pelo menos dez homens tentaram assaltar empresa; três foram detidos por policiais militares

Andressa Zanandrea, Jornal da Tarde

16 de julho de 2008 | 07h39

Com camisetas, coletes, bonés e distintivos da Polícia Federal, pelo menos seis homens invadiram uma fábrica de filtros de água em Guarulhos, na Grande São Paulo, no final da noite de terça-feira, 15. Eles alegaram, segundo o porteiro, que estavam lá por causa de uma denúncia de carga roubada. Três dos criminosos foram detidos e o alvo da quadrilha, uma carga de quase 3,5 toneladas de cobre, não foi levado da empresa. Por volta das 23h30, o porteiro, de 43 anos, foi rendido por parte da quadrilha, que chegou em três carros: um Palio, um Astra e um Corsa Sedan, todos na cor prata. No Palio havia um giroflex como os usados por policiais federais. Para a Polícia Militar, o veículo seria usado para escoltar a carga roubada. O porteiro conta que ficou sentado e algemado dentro da guarita por pouco mais de uma hora. "Acreditei que eram policiais federais. Se eu não abrisse o portão, eles pulariam. Quis ligar para um responsável da empresa, mas eles não deixaram." Logo em seguida, após um telefonema, chegaram três bandidos, com roupas sem identificação da PF, em um caminhão, que seria usado para transportar a carga de cobre. Dez minutos depois, os ladrões renderam um casal, que saía em um carro, em frente à empresa. "Estava saindo de casa, de carro, quando eles me pararam e disseram que eram da Polícia Federal", disse o perito de loteamento, de 28 anos. Os dois foram levados para o setor de produção da fábrica, onde os bandidos pegavam os rolos de cobre e levavam para o caminhão. Seriam levados 60 rolos de 58 quilos cada. Os bandidos estavam armados, todos com pistolas automáticas. Segundo as vítimas, um deles estava com três armas. "Percebi que eram ladrões só no final, pelos comentários deles e porque estavam falando em código", contou o perito. Além do casal e do porteiro, quando parte do bando já estava dentro da fábrica, um casal e a filha adolescente, que moram ao lado da empresa, também foram rendidos pelos falsos policiais. Seria uma forma de garantir que a Polícia Militar não fosse chamada. Mas policiais da 3ª Companhia do 15º Batalhão, que estavam em patrulhamento pela Avenida Martins Júnior, onde fica a CEL - uma das cinco unidades do Grupo Europa, especializado em aparelhos de refrigeração e purificação de água -, desconfiaram ao ver tantos carros parados na rua, por volta de 0h50. Além dos seis homens que entraram na empresa, outros ficaram do lado de fora, fazendo a segurança - o número total pode chegar a dez, segundo a polícia. Assim, ao ver a chegada das viaturas, os ladrões foram avisados pelos "olheiros" e começaram a fugir pelos fundos da empresa. "Eles mandaram ficar num banheiro, porque iam trocar tiros, mas que não era para a gente se assustar, porque não aconteceria nada", afirmou o perito. Não houve, no entanto, confronto, segundo a PM. Na fuga, quatro dos assaltantes renderam um casal que estava parado em um Tempra vermelho em frente a um condomínio, na Rua Nhumas, que fica atrás da fábrica. Os ladrões fugiram no carro. Outros três foram detidos pela polícia - dois deles nos fundos, já do lado de fora da empresa, e o outro dentro do Corsa, em frente à fábrica - e levados ao 7º Distrito Policial da cidade, onde a ocorrência foi registrada. Com Ailton Gomes da Silva, de 40 anos, Haroldo Serra de Almeida, de 27 anos, e Leandro Ribeiro de Souza, de 26 anos, foram encontradas uma pistola calibre 380 e um par de algemas.

Tudo o que sabemos sobre:
assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.