Quadrilha derrubava torres para extorquir

Homem foi preso por exigir R$ 50 mil de empresa de distribuição de energia no Acre

ITAAN ARRUDA, ESPECIAL PARA O ESTADO, RIO BRANCO, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2012 | 03h05

A Polícia Civil do Acre prendeu na sexta-feira um acusado de participar de uma quadrilha que derrubou torres de transmissão de energia elétrica e tentava extorquir dinheiro da Eletrobras Distribuição Acre em troca da garantia de que não haveria mais atos de vandalismo.

O bando é acusado de danificar quatro torres de alta tensão na noite do dia 22 na Estrada do Irineu Serra e deixar às escuras a terceira maior cidade do Estado, Sena Madureira, perto da divisa com Rondônia. O município de 38 mil habitantes ficou sem luz até quarta-feira, quando a Eletrobras conseguiu fazer os reparos.

Freitas, que já foi preso por tráfico de drogas e estava em liberdade condicional, exigia R$ 50 mil da distribuidora. Se o pagamento não fosse feito, outras torres seriam derrubadas. O governo do Acre determinou o policiamento da rede de transmissão na divisa. Segundo um representante do governo, a derrubada de torres na região pode deixar o Acre inteiro sem luz.

Investigação. A prisão foi realizada quando Freitas buscava o dinheiro da extorsão em uma área rural de Rio Branco. Um policial, autorizado pela empresa, passou-se por integrante da diretoria e negociou com Freitas. Em conversa gravada no celular do investigador, o bandido diz que o grupo estava disposto a derrubar mais torres de energia em outras regiões se o pagamento não fosse realizado.

Mas, como alerta o delegado que coordenou a investigação, Alcino Júnior, o trabalho da polícia continua. "As investigações não param agora. Possivelmente, há mais quatro ou cinco pessoas envolvidas."

Investigadores dizem que a forma de atuar de Freitas não é comum na região. Durante os contatos, ele teria tentado se passar por outra pessoa e escolheu locais para entrega do dinheiro que sugerem um grupo com um mínimo de organização. A investigação evitou que outras duas torres fossem derrubadas, segundo os investigadores.

Em nota, a Eletrobras Distribuição Acre informa que o crime mobilizou 80 homens para reparar os danos e levou 63 horas para reerguer a estrutura de sustentação dos cabos de energia.

O comunicado informa ainda que a empresa já vinha efetivando "medidas preventivas" de acidentes "desde o primeiro acidente em Sena Madureira", ocorrido em 11 de novembro de 2011. A direção garante que essas medidas de prevenção estão sendo intensificadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.