Polícia Militar Rodoviária - Orlândia
Polícia Militar Rodoviária - Orlândia

Quadrilha atira em seguranças e explode carro-forte na Anhanguera

Força da explosão partiu o blindado ao meio; bandidos fugiram

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2018 | 08h47
Atualizado 14 Agosto 2018 | 15h44

SOROCABA - Uma quadrilha explodiu e assaltou um carro-forte na noite desta segunda-feira, 13, depois de obrigar a parada do veículo com tiros de fuzil, no km 359 da rodovia Anhanguera, próximo a Sales de Oliveira, no interior de São Paulo. Dois vigilantes da empresa de transporte de valores Protege ficaram feridos. A força da explosão partiu o blindado ao meio. Destroços do veículo ficaram espalhados pelo local.

Os criminosos usaram dois veículos na abordagem. Após o assalto, a quadrilha fugiu. A Polícia Militar montou um cerco na região, mas não havia conseguido, até a manhã desta terça-feira, localizar os suspeitos.

 De acordo com a PM, pouco antes do assalto, os seguranças que estavam no veículo avisaram por rádio que eram seguidos por dois automóveis pretos. O carro-forte foi atacado logo depois e teve os pneus estourados pelos tiros de fuzil. Segundo a polícia, a quadrilha usava munição traçante - balas que iluminam o rastro e o alvo.

O veículo saiu da pista, arrebentou a cerca e foi parar numa propriedade rural, à margem da rodovia. Dois seguranças se esconderam no mato e foram atingidos por estilhaços das explosões. Os outros dois foram baleados nos membros superiores.

Duas das vítimas receberam atendimento no local e as outras foram levadas para a Santa Casa de Orlândia. Não havia informações sobre o estado de saúde dos feridos na manhã desta terça-feira, 14. A Polícia Civil fez uma perícia no local do acidente e encontrou munições de fuzil calibres 762 e 556. 

A Protege informou que está prestando toda a assistência necessária aos seus colaboradores e, também, colabora com as autoridades na investigação em curso. Informou, ainda, que os dois colaboradores que foram alvejados encontram-se hospitalizados, foram submetidos à cirurgia e passam bem. "A Protege esclarece que cumpre rigorosamente a legislação em vigor do setor, ressaltando que exerce atividade regulamentada pela Polícia Federal e demais órgãos competente, e investe constantemente em novas tecnologias para aprimorar suas operações", disse em nota. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.