Polícia Militar Rodoviária/Divulgação
Polícia Militar Rodoviária/Divulgação

Quadrilha armada com fuzis fecha rodovia, assalta pedágio e foge de barco em SP

Roubo ocorreu na madrugada desta terça em São Vicente, na Baixada Santista; bando levou levou R$ 170 mil em dinheiro, segundo a Polícia Civil

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2021 | 08h54
Atualizado 19 de outubro de 2021 | 20h29

SOROCABA – A quadrilha de ‘piratas do asfalto’ que usou um barco para assaltar uma praça de pedágio na rodovia Padre Manoel da Nóbrega (SP-55), às 4 horas da madrugada desta terça-feira, 19, levou R$ 170 mil em dinheiro, segundo a Polícia Civil. O dinheiro estava em um cofre, no setor de administração do pedágio, que foi explodido pelos criminosos. As três explosões destruíram parcialmente o prédio. Funcionários foram rendidos e mantidos sob a mira das armas durante a ação.

Os criminosos navegaram pelas áreas de mangue formadas pelo Rio Casqueiro para chegar à praça de pedágio, no km 279 da rodovia, no bairro Humaitá. O canal fica a poucos metros do pedágio. Eles abriram um buraco no alambrado e invadiram o local. Dois carros foram atravessados sobre a pista e incendiados para dificultar a chegada da polícia. Os bandidos fizeram disparos de fuzil para manter os motoristas afastados.    Apesar do horário, havia veículos em circulação e houve relatos de pânico. Alguns motoristas manobraram na tentativa de deixar o local na contramão.

Conforme o comandante local da Polícia Militar Rodoviária, capitão Martins Ribeiro, os policiais chegaram a trocar tiros com a quadrilha, mas evitaram uma aproximação maior para não por em risco a vida dos funcionários que estavam em poder dos criminosos. Um cerco foi montado na rodovia com o apoio de policiais do 2.o Batalhão de Ações Especiais (Baep), mas os bandidos conseguiram fugir. Segundo a PM, eles usaram a mesma embarcação para a fuga.

A concessionária Ecovias confirmou o assalto, mas não informou o valor levado pelos criminosos. Segundo a empresa, a rodovia foi totalmente bloqueada pelo policiamento rodoviário, no km 381, por cerca de uma hora e meia “de forma a não permitir que os usuários chegassem ao local”. Ainda segundo a concessionária, nenhum funcionário ou usuário da rodovia se feriu. As investigações estão sendo conduzidas pela Polícia Civil.

‘PIRATAS’

A expressão ‘piratas do asfalto’ foi usada pela polícia em abril de 2016, quando ao menos dez homens fortemente armados usaram uma embarcação possante para chegar à Praia do Boiçucanga, em São Sebastião, e assaltar dois bancos. Os criminosos usaram dinamites para explodir os caixas eletrônicos de uma agência e na tentativa de abrir o cofre de outro banco. Eles também bloquearam a rodovia Rio-Santos, incendiando veículos. No ataque, os bandidos mataram um policial militar à paisana que tentou deter os criminosos. Outras duas pessoas feridas. O barco foi abandonado próximo à Praia de Juquehy.

Em setembro de 2014, uma quadrilha com oito homens fugiu de lancha pelo Rio Paraná, depois de assaltar um carro-forte na rodovia Marechal Rondon, próximo ao pedágio de Castilho, no oeste paulista. O banco atirou com fuzis e metralhadora ponto 50, arma antiaérea, para obrigar o veículo a parar. Em seguida, os criminosos detonaram bombas para explodir o cofre onde estavam os malotes com dinheiro. Na época, policiais informaram que o carro-forte transportava R$ 5 milhões de Araçatuba para Três Lagoas (MS).

Crime ocorre menos de um mês após assalto em Araçatuba

Na madrugada do dia 30 de setembro, homens fortemente armados invadiram e atacaram três agências bancárias do centro de Araçatuba, a 521 km de São Paulo. Conforme relatos de moradores nas redes sociais, após o ataque aos bancos e troca de tiros com a polícia, pedestres e motoristas foram abordados e feitos reféns. Segundo a Polícia Militar, três pessoas morreram.

A Polícia Federal deflagrou na manhã da última quinta-feira, 14, uma operação para cumprir oito mandados de prisão temporária no âmbito da investigação sobre o ataque. A corporação indica que já cumpriu no total 51 mandados de busca e apreensão e prendeu 15 suspeitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.