'Puxadinho' em SC e DF começa a funcionar

Enquanto o governo não deslancha as obras prometidas para aumentar a capacidade aeroportuária para a Copa do Mundo e a Olimpíada, a Infraero, empresa responsável pela administração de 67 aeroportos do País, resolveu construir módulos operacionais de embarque, apelidados de "puxadinhos", para reduzir o desconforto dos passageiros nos terminais mais saturados. Até agora, foram construídos dois, em Florianópolis e em Brasília, e outros dois estão em obras (Goiânia e Vitória).

Vannildo Mendes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2010 | 00h00

A ideia é amenizar a situação desses terminais já nesta temporada de alta estação. Estima-se que os principais aeroportos devem registrar um crescimento de 20% na movimentação de passageiros nestas férias em relação ao ano anterior, com previsão de aproximadamente 59 milhões de embarques e desembarques.

Até o início de 2013, porém, o governo vai estender esse paliativo a outros aeroportos com problemas de superlotação. A medida está embutida no orçamento de mais de R$ 100 milhões que a estatal aplicará na compra de equipamentos e adaptação dos terminais em situação mais complicada. O próximo da fila é o primeiro dos três "puxadinhos" programados para o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (Grande São Paulo). Os outros estão previstos para 2012 e 2013.

Os três "puxadinhos" previstos para Cumbica, que são os maiores do País, consumirão R$ 58,38 milhões, mais da metade do orçamento total.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.