Público vai além dos veranistas

Os novos prédios atraem um público com dinheiro no bolso para investir em apartamentos que custam em média R$ 500 mil. E nem todos são veranistas. No condomínio A Ilha, 30% dos apartamentos pertencem a famílias que moram na região. "Isso pode ser um indicativo positivo de mudança do tipo de ocupação", diz o arquiteto e urbanista Renato Cymbalista, do Instituto Pólis. "O litoral paulista é um espaço complicado. As casas e prédios na orla da praia ficam abandonados o ano todo. E os piores terrenos são ocupados pelas pessoas que realmente moram na região. "

Valéria França, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2011 | 00h00

Até 1993, quando a prefeitura proibiu o estacionamento de ônibus no município, a praia costumava ser frequentada por turistas que muitas vezes não tinham onde ficar à noite. Muitos praticamente acampavam na praia. Com a urbanização da orla, naquele ano, a região ficou organizada.

Os novos edifícios substituíram construções acanhadas, ora prédios mais velhos de três andares, ora antigos casarões abandonados pelos herdeiros, que trocaram o litoral sul pelo norte. "A repaginação é boa, mas não precisava ser com prédios de 30 andares, que fazem sombra na areia", diz Cymbalista. "Há projetos menos agressivos."

A orla corre o risco de ficar emparedada e a areia da praia, sem sol em determinados horários. Fora isso, há o impacto no trânsito. Na temporada, quando todos os prédios estiverem cheios, a avenida da orla, a Presidente Castelo Branco, pode ficar intransitável. Só o Costa do Sol tem capacidade para 700 veículos.

Em contrapartida, até 2012, a prefeitura vai investir R$ 53 milhões na reestruturação da Avenida Presidente Kennedy, entre os bairros Mirim e Solemar, que servem de alternativa à Castelo Branco. As obras já começaram. A Kennedy terá melhor sinalização, bolsões de estacionamento e locais de parada de ônibus,

Como o trânsito de bicicletas é grande na região, no meio do canteiro central haverá uma ciclovia, delimitada por floreiras. Trata-se de uma extensão do primeiro trecho, que já liga o Boqueirão à Vila Mirim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.