Publicitário foi alvejado porque não obedeceu à ordem de parar, dizem PMs

Em entrevista ao site G1 na sede do Comando-Geral da Polícia Militar, os PMs Adriano Costa da Silva, de 26 anos, Robson Tadeu do Nascimento Paulino, de 30, e Luís Gustavo Teixeira Garcia, de 27, afirmaram que o publicitário Ricardo Prudente de Aquino foi morto (no dia 18 de julho, no Alto de Pinheiros, zona oeste) por não ter obedecido à ordem de parar dos policiais. Eles reconheceram, porém, que confundiram o celular da vítima com uma arma, e que por isso atiraram sete vezes.

O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2012 | 03h01

O advogado da família de Aquino diz que imagens de câmeras de segurança desmentem os policiais, que falaram acompanhados por oficiais da PM, assessor da Secretaria de Segurança e três advogados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.