Publicitário critica atitude de Iriny; feministas elogiam

Adílson Xavier, presidente e diretor nacional de criação da agência Giovanni+DRAFTFCB, considera a atitude da ministra "tão fora de propósito que chega a ser cômica". "É incrível a falta de percepção da realidade. O assunto não resiste a 15 minutos de conversa", diz.

O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2011 | 03h02

Já as feministas estão com Iriny. "Por que, para dar uma má notícia, a mulher tem de usar erotismo?", pergunta Maria José Rosado, da ONG Católicas pelo Direito de Decidir. "A ideia de que a mulher tem sempre cartão de crédito à disposição não corresponde à realidade. Ao contrário, são elas as principais responsáveis pela economia doméstica", defende Nalu Faria, da Sempreviva, ONG que integra a Marcha Mundial das Mulheres. Nalu acredita que, na propaganda, "a mulher é apresentada como alguém que não pensa". Xavier argumenta: "Então são dois: o homem, ali, é usado pela mulher e tem a inteligência diminuída." / P.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.