PT reage à proposta de pedágio urbano do governo Serra

Projeto institui a Política Estadual de Mudanças Climáticas e foi assinado pelo vice-governador, Alberto Goldman

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

05 Fevereiro 2009 | 14h18

O PT reagiu à proposta feita pelo governo de São Paulo de criar o pedágio urbano no Estado. A medida está contida dentro do projeto de lei que institui a Política Estadual de Mudanças Climáticas enviado à Assembleia Legislativa, assinado pelo vice-governador, Alberto Goldman (PSDB). "Se for para ter um pedágio urbano, tem que ter um projeto específico", criticou o líder do PT na Assembleia, deputado Roberto Felício. Segundo ele, o projeto de 41 páginas enviado à Casa "admite", entre outros pontos, a criação do pedágio urbano. Felício avalia que a questão da emissão de poluentes é "um grande desafio" e admite que a questão deve ser debatida na Assembleia. Entretanto, ele criticou o fato de a proposta estar embutida em um projeto muito maior. O líder do PT também acusou o governador José Serra (PSDB) de criar um "artífice" ao não assinar o projeto de lei. "Eles deixaram escondido a autoria do projeto para não ter ônus ao Serra", acusou, e emendou: "Estão usando uma artimanha." Polêmico, o pedágio urbano foi protagonista de um imbróglio na eleição municipal no ano passado. O então candidato à reeleição, o atual prefeito Gilberto Kassab (DEM), aliado de Serra, chegou a enviar à Câmara Municipal um projeto autorizando a medida, mas recuou e retirou a proposta da Câmara, sob fortes críticas. O fato de que o pedágio urbano tem de ser aprovado pela Câmara Municipal para ser criado em uma cidade foi outro ponto das críticas do PT. "Isso seria atropelar as prefeituras", atacou Felício. O líder do PT na Assembleia ressaltou, contudo, que o partido ainda vai analisar o projeto de lei para depois definir sua posição, mas lembrou que a legenda é contra o pedágio urbano como uma solução às questões de poluição e trânsito.

Mais conteúdo sobre:
pedágio urbano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.