PT pede que MP apure responsabilidade de Alckmin na crise da água

Partido também solicita investigação da conduta de quatro ex-diretores da Sabesp

Ricardo Chapola, O Estado de S. Paulo

24 Abril 2014 | 18h02

Atualizada às 21h36

SÃO PAULO - A bancada do PT na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) enviou nesta quinta-feira, 25, uma representação ao Ministério Público Estadual (MPE) em que pede a apuração da responsabilidade do governador Geraldo Alckmin (PSDB) na crise hídrica que atinge o Sistema Cantareira. O partido pede também a investigação da conduta de quatro ex-diretores da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), empresa responsável pelo abastecimento de água de 364 municípios, incluindo a capital.

O PT questiona a gestão de Marcelo Salles Holanda de Freitas, Umberto Semeghini, Nilton Seuaciuc e Luiz Ernesto Suman. Os petistas falam de possíveis "ilegalidades, inconstitucionalidades e improbidades".

"É preciso apurar a ilegalidade e a improbidade na conduta do governador Geraldo Alckmin e de diretores da companhia", afirmou o líder da bancada do PT, deputado estadual João Paulo Rillo.

Na representação assinada por toda a bancada e destinada ao procurador-geral de Justiça, Márcio Fernando Elias Rosa, o partido solicita a instauração de inquérito civil para investigar eventual favorecimento dos ex-diretores da Sabesp em licitações e também suspeitas de superfaturamento em contratos firmados.

Procurada, a assessoria de imprensa da liderança do PSDB na Alesp afirmou que o PT está criando "um factoide político em ano eleitoral".

Ainda de acordo com a base do governo, os petistas estão demonstrando "má-fé" ou "desinformação" sobre a crise hídrica em São Paulo. Alinhada com o discurso do Executivo, a liderança tucana disse que o Cantareira vive um crise histórica, causada pela maior seca dos últimos 84 anos.

Em baixa. O índice que mede o volume armazenado no Cantareira apresentou novo recorde negativo pelo terceiro dia consecutivo. Segundo a Sabesp, nesta quinta o nível das reservas ficou em 11,6%, uma diminuição de 0,1 ponto porcentual na comparação com o índice observado anteontem. / COLABORARAM RAFAEL ITALIANI e GABRIELA VIEIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.