PT aposta em Filippi para ajudar Dilma e Padilha em SP

A cúpula do PT e articuladores da campanha do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, ao governo paulista só veem uma possibilidade de salvar a interlocução política com o prefeito Fernando Haddad: a transferência do secretário da Saúde, José de Filippi Júnior, para a cadeira antes ocupada por Antonio Donato. Homem da confiança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Filippi tem trânsito no PT e, na visão do partido, perfil ideal para fazer a "ponte" com a campanha de Padilha.

BASTIDORES: Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2013 | 02h02

Até a noite de ontem, Filippi resistia a assumir a Secretaria de Governo, mas havia a expectativa da nomeação. Em Brasília, Padilha monitorava com atenção a substituição de Donato. Na montagem da equipe de Haddad, ele apoiou a indicação de Filippi para a Saúde.

Amigo do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, Donato tinha problemas de relacionamento com alas do PT que fazem pressão para Haddad ser mais "político". Em conversas reservadas, dirigentes reclamam que o prefeito não ouve o partido e tem agido como se fosse "promotor". Para os críticos, atitudes assim "não sustentam" o governo.

Deputados petistas avaliam que Haddad precisa "mostrar resultados" se quiser recuperar a popularidade, ajudar Dilma e eleger Padilha governador. "É covardia comparar o risco político com os ganhos éticos e morais", responde o prefeito sempre que o assunto vem à tona.

Dirigentes do PT sempre se queixaram da "falta de proximidade" com Haddad e agora querem criar uma "rede de proteção" para salvar a relação entre o PT e o PSD de Gilberto Kassab. Para eles, somente Filippi - ex-prefeito de Diadema, ex-tesoureiro da campanha de Dilma e conhecido por sua habilidade política - encaixa-se nesse figurino.

Mais conteúdo sobre:
PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.