Psicóloga é vítima de sequestro-relâmpago na zona sul

Ela foi libertada uma hora depois, sem ferimentos, por policiais militares; dupla de assaltantes acabou presa

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

12 de junho de 2010 | 02h56

Uma psicóloga de 27 anos, vítima de sequestro relâmpago, ficou por mais de uma hora em poder de dois criminosos na noite de sexta-feira, 11, na zona sul de São Paulo, sendo libertada das mãos dos assaltantes por policiais militares da Força Tática do 46º Batalhão.

 

Às 18h45, após sair da academia de ginástica, a vítima foi abordada pela dupla, armada com um revólver calibre 38, na Rua França Pinto, região da Vila Mariana. No momento em que abria o carro, um Gol preto, pois iria para a manicure, a psicóloga foi rendida e obrigada a sentar com um dos bandidos no banco traseiro.

 

O outro assaltante então assumiu o volante e seguiu em direção ao Parque Bristol, bairro onde a dupla mora, próximo da divisa com São Bernardo do Campo (ABC). Em posse de um celular e dos cartões bancários e senhas da vítima, os bandidos, que iriam realizar saques em caixas eletrônicos, mandaram a jovem ficar agachada junto ao assoalho.

 

Na Rua Abaúna, no Moinho Velho, os policiais cruzaram com o veículo e desconfiaram dos dois ocupantes, pois um estava ao volante e outro no banco traseiro. Teve início então a perseguição, que terminou segundos depois na esquina da Via Anchieta com a Rua Souza Coutinho após o criminoso fazer uma conversão proibida e ser atingido lateralmente por um Renault Clio. Tanto a psicóloga como a motorista do Renault Clio não se feriram.

 

Ítalo Michael Mendes dos Santos Barros, de 20 anos, que quando adolescente ficou internado na Fundação Casa (antiga Febem) pelo crime de roubo, e Alessandro Barbosa dos Santos, 26, que já tem passagem por roubo e porte ilegal de arma, foram detidos e encaminhados ao plantão do 95º Distrito Policial, de Heliópolis, e autuados em flagrante por extorsão mediante sequestro.

Tudo o que sabemos sobre:
requestro-relâmpago

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.