PSDB lamenta saída de Andrea Matarazzo da Prefeitura de SP

Secretário pediu demissão; Matarazzo estava desgastado e gota d'água foi crítica à varrição da capital paulista

03 de setembro de 2009 | 16h38

O PSDB lamentou, em nota, a saída de Andrea Matarazzo, de 53 anos, da Secretaria Municipal das Subprefeituras de São Paulo. "A saída não é uma boa notícia para a população de São Paulo", diz a nota do PSDB. Assinada pelo presidente do Diretório Municipal do PSDB-SP, a nota afirma que Matarazzo fazia uma "excelente gestão" e mostrava-se um "administrador sério, competente e de grande sensibilidade" para resolver os problemas da cidade.

 

Matarazzo deixou o cargo após quatro anos e oito meses no governo. Isolado das decisões da cúpula do governo de Gilberto Kassab (DEM) desde o início do ano, Matarazzo era um dos poucos remanescentes da gestão José Serra (PSDB) na Prefeitura de São Paulo. O secretário adjunto da pasta, Ronaldo Camargo, assume o cargo.

 

A situação de Matarazzo se tornou insustentável junto ao prefeito há duas semanas, depois de o secretário dizer à Radio CBN que o corte no Orçamento de 2009 já afetava os serviços de varrição do centro da capital - de um total de R$ 300 milhões para o serviço, o prefeito cortou R$ 54 milhões. O assunto gerou desgaste ao governo. Com a situação de seu aliado ruim no governo municipal, o governador Serra convenceu Matarazzo a deixar a secretaria para começar a trabalhar em uma possível candidatura a deputado federal em 2010.

 

A saída era cogitada desde o início do ano. Kassab ficou irritado com Matarazzo durante as eleições de 2008, quando considerou que o secretário, vice-presidente do Diretório Municipal do PSDB, só passou a defender a sua campanha após os índices de intenção de voto no prefeito aumentarem nas pesquisas, a 40 dias do primeiro turno. Kassab gostaria de nomear o atual secretário de Esportes, Walter Feldman, para o posto de Matarazzo. Feldman brigou no PSDB para apoiar a reeleição do prefeito, ante a candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB).

 

Com a reeleição de Kassab, Serra cogitou a ida de Matarazzo para a Secretaria de Estado dos Transportes, comandada por Mauro Arce. Mas, a pedido de Serra, Kassab manteve o tucano no comando das subprefeituras, apesar de retirar seus subprefeitos aliados em regiões como Vila Mariana e Ipiranga. O prefeito também tirou do tucano o Departamento de Controle do Uso de Imóveis (Contru). O secretário também não participava mais do projeto de revitalização da Luz, uma das bandeiras de Matarazzo no primeiro governo, de 2005 a 2008.

 

NOTAS

 

A conversa entre Kassab e Matarazzo sobre a demissão ocorreu na noite de terça. Em nota oficial, divulgada na quarta, o prefeito comunicou que "aceitou o pedido de demissão" apresentado pelo secretário. O texto não expõe as razões para a baixa. Diz apenas que o "compromisso era de permanecer à frente da secretaria até julho", quando Matarazzo daria "início a novas missões".

 

No texto, Kassab deixou as críticas de lado e elogiou a gestão do secretário. "Ajudou a elevar os índices de excelência da administração municipal. Com empenho e dedicação, tornou-se uma referência para todo o secretariado", disse.

 

O PSDB municipal divulgou ontem nota de solidariedade a Matarazzo. A saída dele "não é uma boa notícia", dizia o comunicado. Matarazzo não retornou os telefonemas da reportagem.

Mais conteúdo sobre:
Andrea MatarazzoGilberto Kassab

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.