PSB deixa gestão Haddad, mas Callegari fica no governo

O secretário municipal da Educação, César Callegari, vai se desfiliar do PSB para seguir na gestão Fernando Haddad (PT). Homem de confiança do prefeito e à frente da construção de 14 novos Centros Educacionais Unificados (CEUs), Callegari decidiu não seguir a orientação da direção nacional do partido de deixar a administração paulistana. Como se lançará à disputa da Presidência da República no próximo ano, com provável candidatura de Eduardo Campos, a sigla pediu para seus filiados deixarem cargos comissionados em gestões petistas.

DIEGO ZANCHETTA, O Estado de S.Paulo

30 Novembro 2013 | 02h06

Callegari já acompanhava Haddad em Brasília como secretário de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), no governo Lula e Dilma. Hoje, ele é um dos secretários mais próximos do prefeito.

Anteontem à noite, em ato do PT no centro de São Paulo a favor do vereador e ex-secretário de Governo Antonio Donato (PT), que citado por fiscais como beneficiário de mesada de R$ 20 mil, Haddad disse em seu discurso que um dos principais projetos de sua gestão é "a construção dos CEUs do Callegari".

De saída. Eliseu Gabriel (PSB), secretário de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho, vai deixar o governo para ser candidato a deputado federal no próximo ano. Ele também é vereador pelo PSB e vai voltar à Câmara Municipal. "Não posso também descumprir uma decisão tomada por todo o conjunto do partido", afirmou ele.

Gabriel vai deixar a presidência do Diretório Municipal do PSB, que deve ser assumido pelo ex-tucano Walter Feldmann, recém-filiado ao partido e aliado de Marina Silva. O PSB deve lançar o governador de Pernambuco à Presidência, com a ex-senadora como vice da chapa.

No governo. Titular da pasta de Transportes, Jilmar Tatto (PT) vai deixar de disputar as eleições no próximo ano para ficar na gestão Haddad. Ele é deputado federal licenciado e tem a missão de construir 150 quilômetros de corredores de ônibus até 2016, uma das principais bandeiras da gestão petista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.