PSB deixa gestão Haddad, mas Callegari fica no governo

O secretário municipal da Educação, César Callegari, vai se desfiliar do PSB para seguir na gestão Fernando Haddad (PT). Homem de confiança do prefeito e à frente da construção de 14 novos Centros Educacionais Unificados (CEUs), Callegari decidiu não seguir a orientação da direção nacional do partido de deixar a administração paulistana. Como se lançará à disputa da Presidência da República no próximo ano, com provável candidatura de Eduardo Campos, a sigla pediu para seus filiados deixarem cargos comissionados em gestões petistas.

DIEGO ZANCHETTA, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2013 | 02h06

Callegari já acompanhava Haddad em Brasília como secretário de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), no governo Lula e Dilma. Hoje, ele é um dos secretários mais próximos do prefeito.

Anteontem à noite, em ato do PT no centro de São Paulo a favor do vereador e ex-secretário de Governo Antonio Donato (PT), que citado por fiscais como beneficiário de mesada de R$ 20 mil, Haddad disse em seu discurso que um dos principais projetos de sua gestão é "a construção dos CEUs do Callegari".

De saída. Eliseu Gabriel (PSB), secretário de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho, vai deixar o governo para ser candidato a deputado federal no próximo ano. Ele também é vereador pelo PSB e vai voltar à Câmara Municipal. "Não posso também descumprir uma decisão tomada por todo o conjunto do partido", afirmou ele.

Gabriel vai deixar a presidência do Diretório Municipal do PSB, que deve ser assumido pelo ex-tucano Walter Feldmann, recém-filiado ao partido e aliado de Marina Silva. O PSB deve lançar o governador de Pernambuco à Presidência, com a ex-senadora como vice da chapa.

No governo. Titular da pasta de Transportes, Jilmar Tatto (PT) vai deixar de disputar as eleições no próximo ano para ficar na gestão Haddad. Ele é deputado federal licenciado e tem a missão de construir 150 quilômetros de corredores de ônibus até 2016, uma das principais bandeiras da gestão petista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.