Protesto força cancelamento de audiência sobre a cracolândia

Comerciantes da Santa Ifigênia, insatisfeitos com reforma da área, ameaçavam tumulto ainda maior

, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2011 | 00h00

Por falta de segurança, a Polícia Militar não permitiu a realização, no início da noite de ontem, da primeira audiência pública da Prefeitura para a apresentação do projeto de revitalização da cracolândia, área degradada no centro de São Paulo.

Mil pessoas, a maior parte comerciantes da Rua Santa Ifigênia que lotaram o auditório da Fatec do Bom Retiro, não deixaram o secretário Miguel Bucalen, de Desenvolvimento Urbano, iniciar o evento.

O grupo protesta contra a desapropriação de três quadras da região, reduto do comércio de produtos eletrônicos.

"A PM indicou que não existe segurança para abrir a audiência. Vamos remarcá-la para um lugar maior o mais rápido possível", anunciou às 19h35 o secretário, sob vaias da plateia.

O clima dentro da Fatec era de estádio de futebol. Cerca de 200 pessoas ficaram do lado de fora e quase houve tumulto com a PM. Dentro, os manifestantes, com nariz de palhaço, gritavam "fora Kassab".

Comerciantes pretendiam lançar cadeiras da parte mais alta do auditório caso a audiência não fosse cancelada. Policiais perceberam que o tumulto poderia aumentar e pediram para o secretário suspender o evento.

Reforma. A revitalização da cracolândia, chamada de Nova Luz, prevê a reforma de 45 quadras, das quais 28% serão demolidas. Três quadras serão desapropriadas na Rua Santa Ifigênia.

"Esse projeto vai contra os 200 anos de história da nossa rua. Querem transformar o centro numa nova Faria Lima para ricos", criticou o lojista Aldeir Faezzi, de 38 anos.

Sem pancadaria. Foi o segundo dia consecutivo de protesto pelas ruas do centro da capital.

Ontem, os comerciantes interditaram vias da região, mas não houve confronto com os policiais militares.

Na quinta-feira, estudantes fecharam a Avenida Ipiranga em protesto contra o aumento da tarifa de ônibus, que passou de R$ 2,70 para R$ 3.

A Força Tática disparou balas de borracha e usou gás lacrimogêneo contra o grupo para dispersar a manifestação e desobstruir o bloqueio das vias.

Mais de 30 estudantes foram detidos e houve relatos de que entre cinco e dez participantes teriam ficado feridos com balas de borracha e estilhaços de vidros.

A PM nega que tenha agido com truculência com os estudantes.

Os lojistas atearam fogo em sacos de lixo e entulho e fecharam o acesso das Ruas Vitória, Andradas e da maior parte da Santa Ifigênia.

De acordo com a PM, 1.200 pessoas participaram da manifestação. Os lojistas dizem ter sido 2 mil.

Lojas de eletrônicos e de peças de motos fecharam as portas por cerca de 20 minutos, em apoio ao protesto.

Os manifestantes foram apenas acompanhados pela Polícia Militar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.