Protesto de sem-teto fecha rodovia e complica trânsito em Campinas

Eles protestaram contra a reintegração de áreas no Jardim Samambaia e Chácara Buriti

Ricardo Brandt,

15 Janeiro 2013 | 15h35

CAMPINAS - Cerca de 70 moradores de duas ocupações de terra fecharam na manhã desta terça-feira, 15, o Anel Viário José Roberto Magalhães Teixeira (SP-083), que liga as rodovias Dom Pedro I e Anhanguera, em Campinas, no interior de São Paulo. Eles protestaram contra a reintegração das áreas, no Jardim Samambaia e Chácara Buriti, que está marcada para esta quinta-feira, 17.

Por volta das 6 horas, o grupo ateou fogo em pneus e entulhos jogados nas pistas, fechando os dois lados da rodovia e provocando até 5 quilômetros de congestionamento. O protesto aconteceu km 5 do anel viário e obrigou a concessionária Rota das Bandeiras a desviar o tráfego do local.

Por volta das 8h30, a Polícia Militar Rodoviária conseguiu retirar os manifestantes da rodovia. O grupo seguiu até o centro de Campinas, onde organizou uma passeata complicando o trânsito, já congestionado por causa da chuva e de obras da prefeitura.

O advogado Alexandre Mandel, representante do movimento, defendeu que o bloqueio foi necessário para cobrar da prefeitura e da Justiça a revisão da medida de reintegração de posse.

"O protesto foi necessário devido a falta diálogo com a prefeitura de Campinas e a forma intransigente do poder Judiciário em relação aos argumentos das famílias. A reintegração está marcada para quinta-feira e reivindicamos do poder Executivo, Legislativo e do Judiciário que tomem as medidas para impedir essa desocupação", afirmou Mandel.

A invasão das áreas ocorreu em outubro do ano passado. Cerca de 40 famílias moram na ocupação, em moradias irregulares. Segundo a Secretaria de Habitação as áreas foram invadidas por moradores de bairros próximos. No início da tarde, representantes dos moradores participam de uma reunião com o prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB).

Mais conteúdo sobre:
Reintegração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.