Protesto de professores estaduais bloqueia Avenida Paulista

Há 1,5 km de lentidão na via, sentido Consolação; categoria recusou reajuste proposto e continua em greve

Carolina Freitas, Agência Estado

20 de junho de 2008 | 16h22

Manifestação de professores em greve da rede estadual de ensino de São Paulo bloqueia a Avenida Paulista na altura do Museu de Arte de São Paulo (Masp) na tarde desta sexta-feira, 20. No sentido Consolação, da Praça Oswaldo Cruz até a Rua Itapeva, há 1,5 quilômetro de congestionamento, informa a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). No sentido Paraíso o motorista enfrenta 900 metros de lentidão, do acesso da Rebouças até a Rua Peixoto Gomide. Às 16 horas, a cidade tinha 103 quilômetros de congestionamento.   A CET recomenda aos motoristas que evitem a região. Agentes da CET orientam o trânsito nas proximidades. Quem segue para a Consolação deve pegar um desvio pela Rua Cincinato Braga e voltar à Paulista. Já quem vai para o Paraíso pode desviar pela Alameda Santos.   Segundo a Polícia Militar, a manifestação reúne 3 mil pessoas. O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado (Apeoesp), no entanto, estima o público em 60 mil. Depois de fazer assembléia, na qual decidiram manter a greve, no vão livre do Masp, os professores seguem pela Rua da Consolação até a Praça da República, no centro.   Protesto   Os professores reivindicam a revogação do decreto que limita as transferências de docentes entre escolas e cria uma prova anual para contratar professores, além de reajuste que leve o piso da categoria para R$ 2 mil. A proposta feita na quinta-feira, 19, pela Secretaria da Educação, de reajuste salarial de 12,2% foi rejeitada nesta sexta e os professores decidiram manter a paralisação, iniciada na segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.