Protesto de PMs no Itaquerão reúne 500 manifestantes

Vias ao redor do estádio ficaram congestionadas; categoria pede reajuste salarial de 19%

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

04 de junho de 2014 | 18h51

Atualizada às 21h20

SÃO PAULO - Um protesto de policiais militares reuniu cerca de 500 pessoas em frente ao Itaquerão, na zona leste de São Paulo, na tarde desta quarta-feira, 4. As vias ao redor do estádio ficaram congestionadas por causa do protesto e a Marginal do Tietê e a Radial Leste pararam com a movimentação dos policiais e de nove ônibus em direção ao estádio.

Os manifestantes pedem um reajuste salarial de 19%. O governo não ofereceu nenhum aumento. "Esse valor corresponde ao que o governo não deu no ano passado e neste ano. Eles disseram não ter previsto esse gasto no orçamento, mas a gente provou que o impacto do reajuste será pequeno, porque representa entre R$ 350 e R$ 480 por praça", afirmou o coronel Sérgio Payão, um dos organizadores do ato.

Segundo o coronel, a vida em São Paulo é mais cara que em outras capitais brasileiras, mas o salário não corresponde. "Sergipe, Rio Grande do Sul e vários outros Estados têm salário melhor para a polícia. Aqui, tem um PM para cada 507 habitantes. Em Brasília, é um para 189. Somos submetidos a uma carga de trabalho muito maior", explicou.

O coronel também citou a Copa da Mundo como um ponto a ser considerado pelo governo. "Somos contra a greve porque quem paga é o cidadão. Mas nesse contexto está se tornando insuportável. É inadmissível que num ano como esse tenham esquecido da nossa categoria", disse.

Uma das possibilidade cogitadas pela PM é, se não houver acordo, cumprir a operação padrão. "Se a viatura não tiver condições, não roda". Payão disse ainda que o governo responderia que concedeu mais de 20 mil promoções nos últimos tempos, mas ressaltou que elas significaram um aumento de no máximo R$ 120 no salário dos policiais. "O governo acha que o nosso movimento é político e não é. Queremos ser ouvidos", afirmou.

Resposta. A Secretaria de Segurança Pública informou, em nota, que "tem mantido diálogo transparente e permanente com a Polícia Militar" e que "os índices de aumento salarial serão anunciados no tempo oportuno".

Veja a nota na íntegra:

O colegiado de secretarias envolvidas nas negociações salariais tem mantido diálogo transparente e permanente com a Polícia Militar, além de suas entidades de classe. Os índices de aumento salarial serão anunciados no tempo oportuno. Na atual gestão já foram concedidos três aumentos salariais (o que representa um reajuste acumulado de 36,59%, quase o dobro da inflação do período) e a promoção de 27.282 policiais militares, resultado de um novo plano de carreira. Os reajustes e todos os investimentos em benefícios salariais da PM fizeram com que a Folha de pagamento da corporação crescesse 60% no período, o que demonstra o claro empenho do governo em valorizar os policiais.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.