Protesto de caminhoneiros congestiona marginais em São Paulo

Capital apresenta 31 km de congestionamento, 4,8% dos 835 km monitorados pela CET; média para horário é 3,7%

Elvis Pereira, estadao.com.br

30 de junho de 2008 | 15h28

Com o protesto de caminhoneiros, as Marginais do Tietê e do Pinheiros reuniam os piores pontos de congestionamento da cidade às 15 horas desta segunda-feira, 30. Ao todo, a lentidão na primeira somava 6,7 km na pista expressa, nos dois sentidos, e 6,1 km na segunda, somente no sentido da Rodovia Castelo Branco. No horário, cerca de 30 caminhões seguiam em baixa velocidade em uma faixa da pista local da Tietê, na altura do Cebolão, e outros 50 e um carro de som, em duas faixas da Pinheiros, na altura da Ponte do Jaguaré. A capital tinha 31 km de congestionamento, o equivalente a 4,8% dos 835 km monitorados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A média para o horário é de 3,7%.   Veja também  Acompanhe a situação do trânsito rua-a-rua  Conte aqui o que viu nas ruas de SP com as restrições Categoria ameaça parar SP hoje contra restrição Caminhoneiro que furar rodízio pode perder a carta Saiba em que vias o rodízio para caminhões vigorará  Entenda como o trânsito fez São Paulo parar      Em determinados momentos, eles provocaram a interdição total das vias, obrigando a Polícia Militar (PM) - que atua para parar o protesto - a intervir para a liberação dos trechos. Os manifestantes pretendem se encontrar ainda nesta tarde e ir até a sede da Prefeitura, no Centro. A categoria protesta contra a restrição de tráfego de caminhões na Zona Máxima de Restrição de Circulação, que abrange 100 quilômetros quadrados no centro expandido e entrou em vigor nesta segunda, 30. No início da manhã, 16 caminhoneiros foram multados por desrespeitarem à medida.

Tudo o que sabemos sobre:
trânsitocaminhõesSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.