Protesto contra reintegração fecha Radial Leste por mais de duas horas

Cerca de 100 manifestantes, segundo a PM, forçaram ônibus articulados a parar atravessados na avenida

O Estado de S. Paulo

26 Novembro 2013 | 08h51

SÃO PAULO - Um protesto contra uma notificação de reintegração de posse bloqueou a Avenida Radial Leste por mais de duas horas no começo da manhã desta terça-feira, 26, entre as 5h46 e as 8h. Cerca de 100 manifestantes, segundo a Polícia Militar, forçaram a parada de ônibus articulados, que ficaram atravessados em cada um dos lados da via.

A interdição foi na altura da Avenida Águia de Haia, próxima da Estação Artur Alvim do Metrô, na Linha 3-Vermelha. Motoristas tentaram escapar cruzando o canteiro central e alguns chegaram a ficar com o carro preso.

Logo após a liberação, a CET registrou cerca de 3,9 quilômetros de lentidão no trecho que segue no sentido bairro, a partir do metrô Belém.

No total, às 08h45, os motoristas da cidade enfrentavam 86 quilômetros de lentidão nas vias monitoradas, número considerado dentro da média para o horário. A pior delas, a pista local da Marginal do Tietê no sentido Castelo Branco, registrava 11,6 quilômetros de congestionamento, da Ponte Aricanduva até a Ponte do Limão.

Reintegração. De acordo com a Secretaria Municipal de Habitação (Sehab), dois conjuntos habitacionais da Caixa Econômica Federal na região, com cerca de 400 apartamentos, sofrerão uma reintegração de posse nesta quarta-feira, 27. Os prédios fazem parte do programa Minha Casa Minha vida e, segundo a Prefeitura, foram ocupados por famílias não cadastradas na primeira quinzena de agosto, logo depois de serem entregues.

Eles seriam destinados a famílias que estavam na lista e que antes viviam em áreas consideradas de risco na capital. De acordo como a Sehab, 85% das famílias que estavam na ocupação irregular concordaram em sair amigavelmente.

O processo de reintegração, ainda segundo a Prefeitura, está em nome da Caixa, na Justiça Federal.

Mais conteúdo sobre:
reintegração radial leste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.