Protesto contra falta de água ironiza Alckmin em frente à Sabesp

Protesto contra falta de água ironiza Alckmin em frente à Sabesp

Diante da sede da empresa, centenas de pessoas da manifestação 'Alckmin, cadê a água?' gritam e exibem faixas contra o governador

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

01 de novembro de 2014 | 16h38

SÃO PAULO - Cerca de 150 pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar, se reuniram no Largo da Batata, na zona oeste da capital paulista, na tarde deste sábado, 1.°, em um ato contra a crise da água enfrentada pelo Estado de São Paulo. Os organizadores estimam que 500 pessoas estavam no local. Organizado pelo movimento "Juntos!", o protesto "Alckmin, cadê a água?" tem como objetivo cobrar explicações e soluções para os problemas de falta d'água.

Por volta das 16h30, o grupo saiu do largo e marchou até a frente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), na Rua Sumidouro, em Pinheiros, perto dali. Nesse momento, a reportagem estima que cerca de 300 pessoas participavam do ato. Eles entoavam marchinhas de Carnaval adaptadas ao tema da falta de água no Estado.

"Essa é a primeira manifestação unificada na cidade de São Paulo sobre a questão da falta d'água. Vamos inaugurar uma jornada de manifestações para questionar o governo do Estado sobre a real dimensão da crise da água, porque nós temos assistido a vários bairros que estão tendo sucessivos cortes sem que a Sabesp informe. Está acontecendo uma campanha de desinformação da Sabesp", afirma o sociólogo Thiago Aguiar, de 25 anos, um dos integrantes do movimento.

Grupos carregaram faixas com frases com questionamento para a Sabesp e críticas ao governador Geraldo Alckmin (PSDB). Uma delas dizia: "Alckmin acabou com a água e com a nossa paciência". Dois grupos de maracatu tocaram para os participantes e entoaram gritos de guerra. Um deles fez uma paródia de uma tradicional marchinha de Carnaval e os integrantes cantavam: "Se você pensa que São Paulo tem água, São Paulo não tem água, não. A culpa não é de São Pedro, a culpa é do Geraldão".

Na frente da Sabesp, os manifestantes fizeram críticas à crise hídrica em forma de jogral e afirmaram que "se a água acabar, São Paulo vai parar". Eles também fizeram uma dança da chuva e cantaram. "Eu acho justo que façam esse protesto, porque não podemos culpar São Pedro, é falta de prevenção do governo. Moro em Pinheiros e já está faltando àgua à noite há dois meses", reclama a produtora de vídeo Helena Gonçalves, de 49 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
crise hídricaSabespGeraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.