Protesto contra cheias termina em confronto

Moradores fecharam via para pedir canalização de córrego; polícia usou bala de borracha e gás pimenta e oito foram detidos

Bruno Lupion, O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2011 | 00h00

A Polícia Militar reprimiu com violência protesto de moradores contra enchentes no Jardim Germânia, região do Capão Redondo, zona sul, anteontem.

Os manifestantes, cansados de perder móveis e eletrodomésticos nos seguidos transbordamentos do Córrego dos Freitas, atearam fogo em lixo acumulado na rua e pneus dentro de caçambas, até serem atingidos por balas de borracha e gás pimenta disparados pela Força Tática. Sete homens foram detidos e um adolescente, apreendido. "Sempre que chove perdemos tudo", disse o confeiteiro Lélio Pereira da Silva. Os moradores querem a canalização do córrego.

A Força Tática chegou por volta das 23 horas à Avenida Agostinho Rubin. Segundo o sargento Andrade, do 1.º Batalhão Metropolitano, os policiais tentaram dialogar, mas foram recebidos a pedradas. "Eles foram presos por interdição de via pública, desacato, incêndio e dano a bem público", disse o sargento. Todos assinaram termo circunstanciado e foram liberados.

Segundo o mestre de obras João Batista Rodrigues da Silva, de 44 anos, o bairro é prejudicado por um jogo de empurra entre as Subprefeituras do Campo Limpo e do M"Boi Mirim. O córrego fica na divisa das duas e, segundo ele, ninguém assume a limpeza das margens.

Ontem, o córrego, que tem 3,5 km de extensão, estava repleto de lixo. A Prefeitura informou, por nota, que o córrego é limpo semanalmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.