Google Street View/Reprodução
Google Street View/Reprodução

Protesto causa lentidão na Av. 23 de Maio nesta segunda

Manifestantes protestaram contra o aumento na tarifa do transporte público e atearam fogo em objetos na pista sentido Centro

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2018 | 06h37
Atualizado 22 Janeiro 2018 | 09h26

SÃO PAULO - Uma barricada montada na Avenida 23 de Maio interrompeu o fluxo de veículos sentido Centro por volta das 6h da manhã desta segunda-feira, 22, em São Paulo. Segundo informações da Polícia Militar, manifestantes atearam fogo em objetos e montaram uma barricada na pista na área próxima ao Centro Cultural São Paulo. A via é uma das principais ligações entre o centro e a zona sul da capital paulista. Ainda de acordo com a PM, a manifestação terminou no início da manhã desta segunda-feira.

+ 23 de Maio ganha 11 km de corredor verde

Por volta das 6h30, havia congestionamento grande na região. Ainda não se sabe qual grupo inicou a barricada. Para não ficar no congestionamento, diversos motoristas optaram por passar pelo canteiro central que divide as duas pistas. Um ônibus chegou a atolar no local tentando fazer essa manobra. O fluxo de veículos foi liberado em torno das 7h. 

A poucos metros da barricada, os manifestantes escreveram "R$ 4 não", em referência ao aumento da passagem do transprote público, que passaram a valer em 7 de janeiro. A gestão João Doria (PSDB) afirma que o reajuste da tarifa básica de ônibus ficou abaixo da inflação do período, de 8,9%, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Se a correção fosse aplicada, o preço da passagem passaria para R$ 4,14. 

+ Secretário admite que a 23 de Maio ‘ficou muito cinza’

Mortes no trânsito. O total de mortes em acidentes de trânsito na cidade de São Paulo foi de 883 casos, ante 950 registrados em 2016. A queda de 7% foi divulgada pelo Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga). O porcentual de queda é menor que a metade do observado entre 2015 e 2016. Nesse período, as mortes haviam caído 15,1%, de 1.119 para 950 casos.

No Estado de São Paulo, a baixa foi de 1,4%. Em 2016, havia sido de 5,6%. O Infosiga divide o Estado em 16 regiões administrativas. Em 9 delas, os dados mostram redução dos acidentes. Em 7, houve aumento. 

O maior porcentual de aumento é na região de Marília, que havia registrado 151 mortes em 2016 e, ano passado, teve 195 casos (29,1% a mais). A maior queda porcentual é na Baixada Santista: lá, houve queda de 14,3% nas mortes por acidentes fatais em 2017, caindo de 307 registros em 2016 para 263 casos no ano passado. 

Mande sua notícia - Enfrentou problemas no trajeto? As estações estavam cheias e não foi possível embarcar? Presenciou um acidente ou algo inusitado? Fotografou ou filmou um fato e quer compartilhar? Você pode colaborar com o Estado. Envie vídeos, fotos ou apenas o seu relato pelo número (11) 9 7069-8639. Suas sugestões serão apuradas por um repórter e podem ajudar as pessoas. Participe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.