Proposta nasceu na Associação Comercial em 2008

Bastidores: Diego Zanchetta

O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2011 | 03h05

Na véspera do Natal de 2008, o recém-reeleito Gilberto Kassab (PSD) estava na sede da Associação Comercial de São Paulo, no centro, para discutir com a entidade a concessão de alvará provisório de um ano para o comércio. Era uma demanda antiga da entidade, da qual o prefeito é vice-presidente de honra.

Logo após o encontro, o prefeito disse ao Estado que havia ido ali discutir "um grande projeto" para sua segunda gestão.

Kassab se referia pela primeira vez justamente à proposta aprovada ontem pela Câmara. Nesses três anos, o prefeito costurou o apoio dos vereadores para o projeto e enfrentou até objeção de sua equipe técnica. Qualquer texto ou mudança embutida na proposta tinha sempre de passar antes pelo crivo da cúpula da Associação Comercial. Foram os integrantes da entidade, por exemplo, que forçaram a concessão da licença até para inadimplentes do Cadin.

Marcel Solimeo, economista da associação, admite a influência exercida sobre o projeto. "Batalhamos pela proposta porque temos sedes distritais e recebemos milhares de reclamações de pequenos comerciantes que não conseguem alvará. A possibilidade de formalização é importante para o empresário, que não gosta de ficar na informalidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.