Promotoria busca pena condizente com a ação

ANÁLISE: André Estefam

É PROMOTOR DE JUSTIÇA, MESTRE EM DIREITO PENAL, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2013 | 02h02

O trabalho do Ministério Público, no julgamento dos policiais militares acusados no caso Carandiru, pauta-se pela análise técnica do episódio e pela demonstração lógica entre o descompasso da fala defensiva e as provas produzidas nos autos.

A estratégia de excluir do pedido condenatório 21 das mortes do total de 73 que ocorreram no 2.º andar da Casa de Detenção, e que estavam no início do julgamento, revela que a promotoria busca uma pena condizente com a ação perpetrada pelos acusados. Essa postura tende a sedimentar a confiança do júri no Ministério Público.

A defesa, por sua vez, busca desconstruir a tese do promotor, incutindo na mente dos jurados diversas dúvidas.

Almeja, ainda, isentar os policiais de responsabilidade e desenhar um cenário de terror no dia da invasão.

Esse é seu ponto forte, além de expor a dificuldade da promotoria em individualizar com precisão a conduta de cada um dos agentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.