Promotores são contra regime semiaberto para Suzane

Progressão permitiria que Suzane Von Richthofen cumprisse o restante da pena em regime semiaberto

Rita Cirne, da Central de Notícias,

18 Maio 2009 | 19h19

Os promotores de Justiça de Taubaté Paulo José de Palma e Paulo Rogério Bastos de Costa encaminharam um parecer contrário ao pedido de progressão de pena de Suzane Von Richthofen, presa em Tremembé, a 147 km de São Paulo. A progressão permitiria que a jovem cumprisse o restante da pena em regime semiaberto. Ela foi condenada pelo assassinato dos pais ocorrido em outubro de 2002.

 

O parecer dos promotores se baseia no fato de que Suzane ainda não fez um exame criminológico e que deve a ele se submeter para provar a sua melhora íntima. Dizem os promotores que "a gravidade dos crimes por ela praticados, a temibilidade da requerente e a ausência de prova efetiva de melhora íntima impedem o deferimento do pleito sob pena de se submeter a sociedade e seus integrantes a novo risco, a patente intranquilidade social, ante a constatação de que a os objetivos da pena justamente imposta não são atingidos e nem perseguidos pelo Estado-juiz".

 

O advogado de Suzane fez o pedido de progressão da pena junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), com a alegação de que ela já cumpriu um sexto da pena.

Mais conteúdo sobre:
Suzane Richthofen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.